Portal de Angola
Informação ao minuto

Moçambique: Organizações querem ver impacto da austeridade nos dirigentes do país

Praça Filipe Magaia - Maputo (DR)

Organizações da sociedade civil moçambicana pedem ao Governo que mostre resultados do fim de benefícios para dirigentes superiores do Estado e outros titulares de cargos públicos.

Segundo avança a DW África, o Orçamento de Estado (OE) de Moçambique para 2019, aprovado na quinta-feira (06.12.), assenta em “pressupostos pouco prováveis” e deviam ser revistos, defendeuesta sexta-feira (07.12.) um grupo de organizações da sociedade civil.

“Os pressupostos de recursos do orçamento devem ser revistos para os tornar mais realistas e evitar problemas” tanto de “viabilidade”, como de “credibilidade” do OE, refere-se numa análise publicada pelo Fórum de Monitoria do Orçamento (FMO).

No documento o Fórum de Monitorização do Orçamento afirma ainda que “a divulgação do impacto orçamental serviria para fortificar a confiança dos moçambicanos quanto à efetivação das políticas de austeridade para todos”

“A divulgação do impacto orçamental serviria para fortificar a confiança dos moçambicanos quanto à efetivação das políticas de austeridade para todos”, refere-se numa análise ao Orçamento de Estado (OE) para 2019 publicada pelo Fórum de Monitorização do Orçamento (FMO).

O fórum é composto por 19 membros e o documento divulgado esta sexta-feira (07.12.), redigido pelo Centro de Integridade Pública (CIP), é apoiado financeiramente pela União Europeia (UE).

O aumento pouco provável de receitas é acompanhado por um aumento de despesas, nota a análise, que defende a criação de uma rubrica de “despesas contingentes”, a serem efetivadas “só quando houver recursos disponíveis, sem agravar o défice”.

Mau uso dos recursos do Estado

As organizações consideram ainda que o Governo deveria “enfatizar as consequências financeiras dos défices significativos do setor das empresas públicas, especificando medidas financeiras de correção, para mitigar o mau uso de recursos próprios do Governo” para apoiar empresas que, na maioria, “estão falidas”, acrescenta.

O Fórum de Monitoria do Orçamento lança ainda um alerta para o aumento dos custos da dívida pública e apela ao seu controlo efetivo – sobretudo tendo em conta que 2019 é ano de eleições gerais e pode conduzir a despesas extra.

Em 2017, os juros representavam 2,2% do Produto Interno Bruto (PIB) e as amortizações 2,3%. No OE para 2019 os valores sobrem para 3,4% e 3,1% do PIB, respetivamente.

Tudo isto sem incluir a renegociação em curso das dívidas ocultas de dois mil milhões de dólares e que, segundo referiu fonte parlamentar à Lusa no início da semana, deverá ser discutida pela Assembleia da República em devido tempo e poderá levar à discussão de um orçamento retificativo.

Informação insatisfatória

No que respeita à contenção de despesa pública, o OE faz referência à fixação dos limites de despesas de combustível, telecomunicações e arrendamento de imóveis, mas a informação é considerada insatisfatória.

“Não permite medir o impacto orçamental destas medidas, porque o OE não inclui detalhes suficientes”, acrescenta.

Este é um de vários aspetos do OE em que o FMO se queixa de falhas na comunicação com os cidadãos.

“O Governo comprometeu-se, em anos anteriores, a aumentar a cooperação com as organizações da sociedade civil, porém, ignora estes compromissos”, refere o documento, com queixas acerca da falta de ações de discussão pública da proposta de orçamento.

Como consequência, fica frustrada a intenção das organizações de “influenciar as políticas e o envelope de recursos públicos destinados a setores produtivos e sociais”.

OE aprovado com votos da FRELIMO

Recorde-se, que a Assembleia da República de Moçambique aprovou na quinta-feira (06.12.), com os votos da maioria governamental da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) o OE para 2019, depois de concluídas as discussões na especialidade.

O Orçamento de Estado par 2019 prevê receitas a rondar 249 mil milhões de meticais (3.580 milhões de euros) para uma despesa total de 340 mil milhões de meticais (4.885 milhões de euros).

O défice global (em percentagem do PIB) deverá subir de 8,1% previsto este ano para 8,9% em 2019.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »