Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Diplomatas investigam morte de mais um cidadão russo sob custódia da imigração dos EUA

A embaixada da Rússia nos Estados Unidos investiga relatos de que um cidadão russo morreu sob custódia da agência de imigração norte-americana na semana passada, segundo um comunicado divulgado no Twitter, noticia a Sputnik

“A embaixada recebeu informações sobre a morte de um prisioneiro num estabelecimento de imigração no condado de Baker, no estado da Flórida, presumivelmente um cidadão russo. De acordo com informações fornecidas pelas autoridades norte-americanas, GY Volkov faleceu num centro médico em Jacksonville, Flórida”, informa a declaração.

A agência de imigração e alfândega dos Estados Unidos (ICE) anunciou na segunda-feira que Guerman Volkov, 56 anos, morreu num hospital em Jacksonville depois de ser mantido no Centro de Detenção do Condado de Baker.

A embaixada afirmou que ainda está a tentar determinar se Volkov era de fato cidadão da Rússia. Diplomatas também trabalham para descobrir mais informações sobre o caso, incluindo as circunstâncias e a causa da morte de Volkov, bem como as informações de contato de seus parentes.

Segundo caso em um mês

Se confirmada a nacionalidade, Volkov será o cidadão russo a morrer sob custódia do ICE desde o mês passado, depois que a russa Mergensana Amar, de 40 anos, faleceu em Tacoma, Washington. Amar havia sido mantida no Centro de Detenção do Noroeste em Tacoma, Washington, ao tentar atravessar ilegalmente a fronteira EUA-México em 2017. Nos meses que antecederam a sua morte, ela havia feito uma greve de fome de semanas para protestar contra a detenção, de acordo com o grupo NWDC Resistance, que trabalha pelo direito dos imigrantes.

A ICE declarou à época que Amar tentou tirar a sua própria vida e foi encontrado sem sinais vitais na sua cela em 15 de novembro. A agência de imigração dos EUA listou a causa oficial da morte como “lesão cerebral anóxica devido à asfixia”, mas a embaixada russa declarou na quarta-feira que continuava a investigar as circunstâncias do incidente.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »