Portal de Angola
Informação ao minuto

Azancot de Menezes, um nacionalista marginalizado

(DR)

Lançado em Luanda livro de Hugo Azancot de Menezes um dos fundadores do MPLA

O historiador angolano Carlos Pacheco saudou nesta quinta-feira, 06, segundo avança a Voz da América, a publicação em Luanda de um livro do nacionalista “esquecido” do MPLA e de Angola, Hugo Azancot de Menezes.

O livro “Percursos da Luta de Libertação Nacional – Viagem ao Interior do MPLA – Memórias Pessoais” foi lançado ontem, terça-feira, 06, em Luanda um ano depois de ter sido publicado em Lisboa.

Carlos Pacheco fez a organização e revisão do texto e elaborou ainda o preâmbulo, notas e comentários do livro baseado nas notas e memórias de Hugo Azancot de Menezes que ele considerou de uma figura “preponderante” na formação do MPLA.

O historiador recordou que Azancot de Menezes foi médico em 1959 do então presidente da Guiné Conackry e foi nesse país que se deram passos importantes no fortalecimento do MPLA que havia sido formado em Túnis em 1960.

Foi Azancot de Menezes que, graças à sua proximidade do presidente Sekou Touré, abriu as portas deste país a figuras como Lúcio Lara, Viriato da Cruz e outros.

A Guiné Conackry, disse, foi a primeira plataforma de acção destes nacionalistas.

“Aquela foi a primeira plataforma onde se prepararam as condições de luta para o futuro”, disse.

“Isto é esquecido, nunca se fala de Azancot de Menezes a respeito deste seu grande papel”, disse Carlos Pacheco.

“Nem sequer até hoje se prestou uma homenagem ao Azancot de Menezes se agradeceu a esta figura histórica”, acrescentou o historiador para quem “o MPLA nasceu em casa do Azancot de Menezes”.

Azancot de Menezes foi marginalizado pela liderança de Agostinho Neto e morreu em Lisboa.

O livro tem como base escritos e documentos desse nacionalista que Carlos Pacheco organizou.

O historiador recordou ter visitado o nacionalista quando este estava prestes a morrer num hospital em Lisboa onde Azancot de Menezes lhe pediu para não se esquecer de publicar o livro de que tinham falado anteriormente.

“Ele segurou muito fortemente na minha mão e pediu-me: ´Carlos não se esqueça do meu livro´”, recordou Pacheco.

“Então eu sinto-me feliz porque este livro finalmente começar a ser conhecido”, acrescentou.

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »