Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

País só produz 6% do arroz que consome

Angola consome 400 mil toneladas de arroz por ano, mas só produz 25 mil toneladas, correspondentes a seis por cento do total da sua produção local.

Segundo a Angop, na mesma ordem do arroz, está a soja, cujas necessidades anuais do país variam entre os 220 a 240 mil toneladas ano, mas produz apenas 30 toneladas por ano.

Quanto ao milho, Angola tem uma necessidade de 25 mil toneladas ano, porém os dados da campanha agrícola 2015/2016 apontaram uma produção de total de 2,2 mil toneladas de milho.

Para reverter o quadro, o país, que possui boas condições climáticas, enormes quantidades de água e extensões de terras aráveis, precisa apenas de investidores nos mais diversos segmentos agrícolas, afirmou hoje o director nacional da Agricultura, José Carlos Bettencourt.

O gestor realçou que o diferencial, entre o arroz produzido e o que se consome no país, representa uma boa oportunidade de negócios para quem queira investir nestes domínios.

Em relação aos subsídios para o sector agrícola, o director, que falava para uma plateia de empresários nacionais e italianos, num fórum sobre agro-negócios, informou que dentro em breve sairá um diploma sobre subsídios à Agricultura.

Entretanto, disse ser necessário resolver-se a problemática do crédito à agricultura, pois o estado não pode bonificar os subsídios a todos produtos, mas as culturas prioritárias para a produção interna e para a exportação.

Beneficiarão de subsídios, entre outras, empresas que produzem, isto é, aos investidores que apostem na produção. “ Na produção de sementes e de outros insumos agrícolas

Explicou que o Ministério da Agricultura e Floresta trabalhará nos subsídios aos insumos agrícolas.

O fórum, promovido pela Agência de Investimento Privado e Promoção das Exportações (Aipex) em parceria com a Agência Italiana de Comércio (ITA), contou com a participação de sete empresas da Itália e várias nacionais do sector agrícola, que manifestaram interesse em importar bens agrícolas de Angola.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »