Smiley face

País só produz 6% do arroz que consome

0 33

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Angola consome 400 mil toneladas de arroz por ano, mas só produz 25 mil toneladas, correspondentes a seis por cento do total da sua produção local.

Segundo a Angop, na mesma ordem do arroz, está a soja, cujas necessidades anuais do país variam entre os 220 a 240 mil toneladas ano, mas produz apenas 30 toneladas por ano.

Quanto ao milho, Angola tem uma necessidade de 25 mil toneladas ano, porém os dados da campanha agrícola 2015/2016 apontaram uma produção de total de 2,2 mil toneladas de milho.

Para reverter o quadro, o país, que possui boas condições climáticas, enormes quantidades de água e extensões de terras aráveis, precisa apenas de investidores nos mais diversos segmentos agrícolas, afirmou hoje o director nacional da Agricultura, José Carlos Bettencourt.

O gestor realçou que o diferencial, entre o arroz produzido e o que se consome no país, representa uma boa oportunidade de negócios para quem queira investir nestes domínios.

Em relação aos subsídios para o sector agrícola, o director, que falava para uma plateia de empresários nacionais e italianos, num fórum sobre agro-negócios, informou que dentro em breve sairá um diploma sobre subsídios à Agricultura.

Entretanto, disse ser necessário resolver-se a problemática do crédito à agricultura, pois o estado não pode bonificar os subsídios a todos produtos, mas as culturas prioritárias para a produção interna e para a exportação.

Beneficiarão de subsídios, entre outras, empresas que produzem, isto é, aos investidores que apostem na produção. “ Na produção de sementes e de outros insumos agrícolas

Explicou que o Ministério da Agricultura e Floresta trabalhará nos subsídios aos insumos agrícolas.

O fórum, promovido pela Agência de Investimento Privado e Promoção das Exportações (Aipex) em parceria com a Agência Italiana de Comércio (ITA), contou com a participação de sete empresas da Itália e várias nacionais do sector agrícola, que manifestaram interesse em importar bens agrícolas de Angola.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Translate »