Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

O princípio do fim da era Merkel

DW África

Após quase duas décadas, chanceler federal passa adiante a liderança de seu partido, a União Democrata Cristã. Definição do sucessor pode indicar quem será, daqui a alguns anos, o próximo chefe de governo da Alemanha.

O próximo congresso da União Democrata Cristã (CDU) está cercado de expectativas. Está totalmente em aberto a decisão sobre quem sucederá a chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, na liderança da legenda – uma situação inédita para os democrata-cristãos, em se tratando de uma decisão central de pessoal.

Para a reunião em Hamburgo estão credenciados 1.500 representantes da mídia. O cientista político Frank Überall considera histórica a decisão de Merkel de entregar agora a presidência do partido, e o congresso é uma data que definirá os caminhos para a CDU trilhar no futuro.

A separação entre chefia de governo e presidência partidária é inusual na Alemanha, porém não inédita. Em março de 2004, o então premiê Gerhard Schröder entregou a liderança do Partido Social-Democrata (SPD), na disputa pela imposição de reformas sócio-políticas polêmicas, e seguiu chefiando por mais 18 meses a coalizão governamental com o Partido Verde. E a partir de 1974 Helmut Schmidt permaneceu chanceler federal por oito anos, enquanto Willy Brandt liderava os social-democratas.

No que concerne os democrata-cristãos, é preciso voltar 50 anos na história: na década de 1960, Ludwig Erhard foi premiê por três anos, sem encabeçar a legenda. Depois dele, seu correligionário Georg Kiesinger esteve um ano à frente do governo, mas não da CDU.

O mais tardar com Helmut Kohl ficou claro que para a figura de liderança o ideal é controlar ambos os setores. Assim, ele foi o chefe de partido de 1973 a 1998, e de governo entre 1982 e 1998, com a CDU como sua base de poder e a Chancelaria como seu Executivo político.

Também para Angela Merkel ambas posições de ponta formavam um pacote. Por isso a mudança que se anuncia é uma ruptura tão importante. Mas a redistribuição dos dois cargos é um aspecto: pelo menos tão inusitada quanto ela é a competição aberta pela presidência democrata-cristã.

“Para a CDU, também é uma experiência nova, emocionante, os delegados terem, de fato, uma escolha, e haver uma corrida dos candidatos”, comenta Überall, que leciona na Escola Superior de Mídia, Comunicação e Economia de Colônia.

Nenhum especialista arrisca antecipar quem sucederá a atual líder, se Annegret Kramp-Karrenbauer (considerada antes pró-Merkel) ou Friedrich Merz (no passado, um de seus oponentes internos). Só em relação a Jens Spahn todas as enquetes são unânimes: no momento atual, ele não tem a menor chance de assumir a liderança democrata-cristã.

A chanceler federal Merkel terá que se acostumar com o rosto de quem quer que seja eleito. Pois ele ou ela estará à mesa nas rodadas de coalizão, as reuniões do governo, realizadas a intervalos irregulares. Para Frank Überall, esse é “um ponto muito importante”: quem participa dessas conversas na Chancelaria Federal pode influenciar os debates, dar-lhes uma direção. Isso confere grande poder ao líder do partido.

Seja como for, o politólogo prevê uma mudança sensível para a CDU. Sob Merkel, sem dúvida muito correu bem para o partido, “mas uma coisa praticamente não aconteceu, que foi realmente levar a fundo as controvérsias”. Tradicionalmente, um grande partido estabelecido possui diversas alas, direcionamentos diversos sob um só teto. Na CDU, estas são: a que tende para a esquerda social, a mais conservadora de direita, e a liberal-econômica.

“E justamente a ala conservadora da CDU se sentiu, no passado, menos considerada e menos levada a sério”, diz Überall. O novo presidente certamente deverá “introduzir mais cultura de discussão no partido”, acredita. Pode ser que aí passe a se ver entre os democrata-cristãos mais daquela tensão positiva entre partido e missão governamental que há muitos meses agita o parceiro de coalizão SPD.

Quem for chefiar a União Democrata Cristã não apenas servirá a legenda, mas também vai querer colocar sua marca própria e, consequentemente, ser conhecido. A expectativa comum é o presidente do partido ser o favorito quando Merkel também renunciar como premiê, e for escolhido o candidato conservador para as próximas eleições legislativas.

Este terá, de qualquer forma, que indicar um novo secretário-geral, e assim apontar uma direção decisória. Kramp-Karrenbauer, a atual secretária-geral, não estará mais disponível para o cargo. Frank Überall não acha improvável que um representante “um pouco mais cortante” assuma, defendendo a linha partidária “de maneira mais intensiva e talvez mais ousada”.

Aliás, o estatuto da CDU prevê a possibilidade de que um político seu seja chanceler federal, mas não presidente do partido. Assim, um chanceler federal democrata-cristão integrará sempre o quadro da liderança partidária, e, quem quer que seja o próximo líder, Merkel permanecerá no primeiro escalão da CDU.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »