Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Empresário chinês subornou líderes africanos para garantir direitos petrolíferos

Defesa de Ho reconheceu os pagamentos, mas afirmou que as doações pretendiam “fomentar a bondade”, segundo a Associated Press.

Segundo o Expresso, que cita a Lusa, um empresário de Hong Kong foi nesta quarta-feira considerado culpado, por um júri federal norte-americano, de suborno aos Presidentes do Chade e do Uganda, para assegurar que direitos petrolíferos naqueles países fossem atribuídos a uma empresa chinesa. Chi Ping Patrick Ho foi considerado culpado de sete das oito acusações que enfrentava, que incluem conspiração, branqueamento de capitais e violação da Lei de Práticas Corruptas no Exterior.

A defesa de Ho reconheceu os pagamentos, mas afirmou que as doações pretendiam “fomentar a bondade”, segundo a Associated Press. Entre os pagamentos feitos por Ho está a entrega de dois milhões de dólares (1,76 milhões de euros) em presentes endereçados ao Presidente do Chade, em 2014, para beneficiar a CEFC China Energy.

Ho, oftalmologista e antigo secretário para os Assuntos Internos de Hong Kong, foi julgado em Nova Iorque, cidade norte-americana onde foram detetadas importantes reuniões, comunicações e transferências. O réu era responsável por um “grupo de pesquisa sem fins lucrativos” da CEFC China Energy, um estatuto que a acusação acredita ter facilitado as práticas.

“Gerir uma organização não-governamental permitiu ao acusado passar-se” por um apoiante de causas humanitárias, referiu Paul Hayder, advogado de acusação, ao júri, acrescentando que Ho “ofereceu milhões de dólares em subornos e fê-lo para obter negócios”. A acusação considerou que Ho era um “batoteiro que encheu os bolsos dos responsáveis governamentais” de modo a estimular o crescimento da CEFC China Energy, num processo que envolve vários antigos presidentes da Assembleia Geral das Nações Unidas.

No entender da defesa, que considera a acusação como “um processo de suborno sem suborno”, Ho terá tentado documentar os pagamentos feitos aos responsáveis estrangeiros. “Ele não tentou esconder o que estava a fazer”, afirmou o advogado de defesa Edward Kim.

Um dos testemunhos ouvidos no tribunal foi o de Cheikh Gadio, antigo ministro dos Negócios Estrangeiros do Senegal.
Gadio terá sido o responsável por apresentar Ho a Idriss Deby, Presidente do Chade. Ao júri, Gadio afirmou que o Presidente chadiano ficou “enraivecido” depois de a sua equipa de segurança descobrir os dois milhões de dólares em dinheiro distribuídos por várias ofertas.

A testemunha referiu que o primeiro impulso do chefe de Estado foi expulsar a delegação da empresa, tendo perguntado a Gadio “porque é que as pessoas acreditam que todos os líderes africanos são corruptos?”. Segundo Gadio, Ho ficou “impressionado” pela recusa de Deby, tendo insistido para que o Governo do Chade mantivesse o dinheiro como “uma oferta caridosa”.

A defesa de Ho acusou Gadio de que foi este a sugerir o pagamento. “Ele nunca se responsabilizou pelas suas ações”, disse Edward Kim sobre Gadio.

Ho foi ainda acusado de subornar Sam Kutesa, ministro nos Negócios Estrangeiros do Uganda e antigo presidente da Assembleia Geral das Nações Unidas, e o seu cunhado, o Presidente do Uganda, Yoweri Museveni.

O empresário de Hong Kong não testemunhou durante o julgamento de sete dias. O caso, a que a acusação apelidou de “Esquema Uganda”, terá tido início em outubro de 2014.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »