Portal de Angola
Informação ao minuto

Cientistas lançam projeto na Guiné-Bissau para estudar bactéria da tuberculose africana

Observador/Lusa

(JENS BUETTNER/EPA)

Investigadores do Instituto Investigação e Inovação em Saúde (i3S), da Universidade do Porto, lançam esta quarta-feira na Guiné-Bissau um projeto para perceber a razão pela qual a bactéria da tuberculose africana é “menos severa” e tem “uma progressão mais lenta”.

Em entrevista à Lusa, Margarida Saraiva, líder do projeto ‘Immune Regulation’ do i3S revelou que o principal objetivo dos investigadores é “perceber por que é que a tuberculose provocada pela micobactéria africana é menos severa e tem características diferentes da bactéria da tuberculose”.

O projeto, denominado ‘Host pathogen interactions in tuberculosis: lessons from Mycobacterium africanum’ e financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT & Aga Khan), é lançado esta quarta-feira na Guiné-Bissau, país da África Ocidental, onde, segundo a investigadora, a “doença é muito prevalente”.

“A doença é muito prevalente na Guiné-Bissau, aliás, o último estudo feito, que comparava a bactéria da tuberculose [Mycobacterium tuberculosis] com a bactéria africana [Mycobacterium africanum], indicava que cerca de 50% da doença era provocada pela bactéria africana”, frisou.

Segundo Margarida Saraiva, a equipa de investigadores pretende ainda compreender por que é que “a progressão da micobactéria africana é mais lenta” e qual o motivo que justifique que esta não se tenha alastrado de África aos restantes continentes.

Queremos entender, por um lado, por que é que a micobactéria africana demora mais tempo a surgir, e por que é que da África Ocidental não se dispersou para todo o mundo, como a bactéria da tuberculose o fez”, revelou.

A iniciativa, que conta com a colaboração do Projeto Saúde de Bandim da Universidade do Sul da Dinamarca, do Laboratório de Saúde Pública da Guiné-Bissau e do Hospital Raoul Follereau, o principal centro de tratamento da tuberculose do país, visa também capacitar a população guineense para a doença. “Para além dos objetivos científicos, o projeto integra uma vertente relacionada com a capacitação local e a formação dos residentes”, contou a investigadora.

Durante o lançamento do projeto, do qual fazem também parte investigadores dinamarqueses da Aarhus University (Dinamarca), está previsto um ‘workshop’ dedicado aos profissionais de saúde. Segundo Margarida Saraiva, a equipa do i3S, que desde 2015 tem vindo a desenvolver vários projetos no âmbito da tuberculose, prevê que no próximo ano se realizem ‘workshops’ relacionados com “a parte experimental”.

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »