Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Governo de São Tomé diz que situação económica do país é “deveras crítica”

Observador / Lusa

O executivo são-tomense, liderado por Jorge Bom Jesus, disse ter constatado que as dívidas do Estado para com os bancos comerciais “são exorbitantes”.

O Governo de São Tomé e Príncipe alertou esta quarta-feira que a situação económica e financeira do país é “deveras crítica” e que os salários da administração pública estão atrasados, no final da primeira reunião do Conselho de Ministros.

Em comunicado divulgado após a reunião, o executivo, liderado por Jorge Bom Jesus, disse ter constatado que a situação económica e financeira do país “é deveras crítica”, as dívidas do Estado para com os bancos comerciais “são exorbitantes” e os salários da administração pública “estão em atraso”.

Além disso, nas embaixadas e representações diplomáticas os funcionários não recebem ordenado há três meses, segundo o Governo.

“O desmando e a desorganização no aparelho central do Estado é preocupante e manifesto”, afirmou o executivo, em funções desde sábado passado.

No comunicado, o Governo refere que “no sistema de educação, não existem condições que permitam a garantia de refeições escolares” e “a ruptura de alguns bens alimentares de primeira necessidade é notória”.

O Conselho de Ministros, o primeiro deste Governo, orientou a ministra da Educação a apreciar as propinas cobradas e permitir o acesso dos alunos que por razões financeiras ainda estão fora do sistema escolar.

A mesma deliberação foi tomada em relação à ministra da Justiça e Direitos Humanos, a quem foi pedida uma “revisão em baixa” dos emolumentos cobrados pelos serviços notariais, particularmente em relação aos documentos para estudantes.

O novo executivo é liderado por Bom Jesus, presidente do Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe – Partido Social Democrata (MLSTP-PSD) e da coligação PCD-UDD-MDFM, na sequência de um acordo pós-eleitoral assinado entre as duas forças após as eleições legislativas de 07 de Outubro, que garantiu maioria absoluta (28 em 55 deputados na Assembleia Nacional).

o Acção Democrática Independente (ADI), partido então no poder, venceu as eleições com maioria simples (25 deputados), mas o Presidente da República, Evaristo Carvalho, convidou a segunda força mais votada a formar Governo, justificando a decisão com “a actual correlação de forças” no parlamento e “os superiores interesses” do país.

MLSTP-PSD e coligação tinham prometido fazer cair no parlamento um eventual executivo do ADI.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »