Portal de Angola
Informação ao minuto

Dos tribunais ao tapete vermelho: Rafael Marques é hoje recebido pelo Presidente da República

(DR)

O ativista angolano Rafael Marques é hoje recebido pelo Presidente da República, depois de ter sido impedido na terça-feira de entrar numa reunião na presidência com organizações não-governamentais e da sociedade civil, para a qual estava convidado, escreve a RTP que cita a Lusa.

Num comentário no MakaAngola, jornal “online” liderado pelo ativista, Rafael Marques indicou ter sido “convidado” para uma “audiência privada” com o Presidente angolano, reunião aprazada para as 09:00.

“Através do seu diretor de gabinete, Edeltrudes Costa, o Presidente (João Lourenço) lamenta o incidente desta manhã, durante o qual fui impedido de entrar no palácio como integrante da delegação da sociedade civil. Estou a par das investigações em curso para o apuramento do sucedido e, como fiz notar, acredito na boa vontade do Presidente. Desse modo, será uma honra encontrar-me com ele amanhã (quarta-feira)”, lê-se numa nota no MakaAngola.

Rafael Marques era um dos líderes e representantes da sociedade civil angolana estava previsto participar num encontro convocado por João Lourenço, com o objetivo de se analisarem “questões da atualidade”.

As várias organizações da sociedade civil consideraram na terça-feira “simbólico” e “um passo em frente” para a construção de um diálogo nacional o encontro com João Lourenço.

Entre os presentes, estiveram também o ativista e ‘rapper’ luso-angolano Luaty Beirão, que se escusou a falar à imprensa, e representantes de cerca de uma dezena de instituições, como José Patrocínio, líder da associação religiosa OMUNGA, Alexandra Semeão, da Associação Handeka, Maria Lúcia Silveira, da Associação Justiça, Paz e Desenvolvimento (AJPD) e Belarmino Jelembe, da Ação para o Desenvolvimento Rural e Ambiente (ADRA-A), que destacaram “a franqueza e respeito manifestados por João Lourenço”, salientando o facto de este tipo de encontro ser inédito em Angola.

Presentes estiveram também representantes da Fundação Open Society Angola, Associação Mãos Livres, Centro Cultural Mosaico, AMANGOLA e os Conselhos Nacional e Provincial da Juventude.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »