Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Rafael Marques “impedido” de entrar no Palácio Presidencial

O jornalista e ativista angolano Rafael Marques diz ter sido impedido de entrar no palácio presidencial de Angola para assistir a uma audiência que o presidente João Lourenço tinha organizado com “representantes da sociedade civil”. Num texto publicado na página do Maka Angola, o portal onde Rafael Marques escreve, o ativista diz ter sido chamado para participar na audiência, mas que acabou por ser expulso por não constar na lista dos convidados, escreve o Observador.

Rafael Marques confirmou que devia ter participado na audiência enquanto um dos “ativistas antigovernamentais” convidados, como o ministro da comunicação social João Melo adjetivou o jornalista. O ativista chegou a conversar durante 20 minutos com Luaty Beirão, Alexandra Simeão e Frei Júlio Candeeiro numa das salas de espera do Protocolo da Presidência. A seguir, o grupo foi levado para o palácio, que ficava do outro lado da rua.

Havia duas pessoas com duas listas de convidados na mão, que os ia chamando um a um para entrar no edifício depois de passar por detetores de metais. Quando Rafael Marques foi chamado — foi o último de todos –, o ativista foi impedido de entrar.

Segundo ele, os funcionários alegaram que “só tinha na lista o nome do Job Capapinha, um dirigente do MPLA nas vestes de sociedade civil”: um dos funcionários “leu mais uma ou duas organizações também ligadas ao partido no poder”. “Disse que o meu nome não constava da lista e que eu não podia entrar. O outro confirmou. Agradeci”, explica Rafael Marques no texto publicado nas redes sociais e na página do Maka Angola.

O ativista angolano disse acreditar “na boa vontade do presidente João Lourenço”, mas que agora tem dúvidas: “Regressei ontem [segunda-feira] ao país e, para meu espanto, ouvi a difusão de um comunicado de imprensa da Presidência da República, no qual sou referido como representante da Open Society, uma organização com o qual não tenho qualquer vínculo há 15 anos”, sublinha Rafael Marques.

E acrescenta: “O meu trabalho é do conhecimento público. Fundei o portal Maka Angola, através do qual há muito me dedico a investigar a alta corrupção no país e a violação dos direitos humanos”, diz ele sublinhando que não representa nenhuma instituição.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »