Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Equipe de Bolsonaro confirma extinção do Ministério do Trabalho

AFP

O Ministério do Trabalho será extinto no governo de Jair Bolsonaro e suas atribuições serão distribuídas entre três pastas, confirmou nesta segunda-feira (3) o futuro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, encarregado da transição.

“O Ministério do Trabalho passa a estar contido, majoritariamente, no ministério da Justiça (…). No ministério da Economia vai estar outra parte, sob comando do Paulo Guedes, e uma parte menor que vai ficar dentro da Cidadania”, explicou Lorenzoni.

Os detalhes de como serão distribuídas suas atribuições estão sendo ajustados pela equipe de transição.

Bolsonaro, que assumirá a Presidência em 1º de janeiro, já havia sinalizado com a extinção desta pasta no começo de novembro, como parte de seus confusos planos de redução do número de ministérios em seu governo, desatando críticas do atual Ministério do Trabalho e de centrais sindicais.

Mas declarações posteriores deram espaço para acreditar que ele poderia ter reconsiderado sua decisão.

Em um novo comunicado nesta segunda-feira, o atual ministro, Caio Vieira de Mello, denunciou que “desmembrar” a pasta atenta contra o artigo 10 da Constituição Federal, que estabelece a participação dos trabalhadores e empregadores nos colegiados dos órgãos públicos em que seus interesses profissionais ou previdenciários sejam objeto de discussão e deliberação.

“Dissolver as atribuições do Ministério do Trabalho em diversas pastas, sem a adoção de medidas de compensação democrática, retiraria um dos palcos em que é promovida a interlocução entre trabalhador, empregadores e Estado regulador, essencial à garantia do equilíbrio das relações de trabalho”, defendeu.

Vagner Freitas, presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), vinculada ao PT, afirmou que a supressão do Ministério do Trabalho em um país com 13 milhões de desempregados e 43% de trabalhadores informais é “uma falta de respeito com a classe trabalhadora e um serviço aos patrões”.

“É um governo absolutamente organizado para levar em consideração os interesses dos ricos, dos bancos, do agronegócio”, acrescentou.

– Vinte e dois ministérios –

Lorenzoni apresentou à imprensa a estrutura, “a princípio definitiva”, do governo Bolsonaro, que até o momento tem 22 ministérios.

Após sua eleição, o capitão do Exército na reserva prometeu reduzir à metade os 29 ministérios atuais, mas a cifra foi aumentando por questões, segundo ele, de funcionalidade.

“São 22 ministérios, 20 funcionais e dois ministérios eventuais”, afirmou Lorenzoni.

O futuro governo quer que, uma vez no poder, o Banco Central e a Advocacia Geral da União percam o status de ministério através de mudanças legislativas.

Por enquanto, Bolsonaro nomeou 20 ministros, sete dos quais militares, em um governo que se alinha com o liberalismo na economia e o conservadorismo nos costumes.

Resta-lhe nomear o ministro do Meio Ambiente, estratégico neste país de dimensões continentais e rico em biodiversidade, e o de Direitos Humanos.

O presidente eleito viaja nesta terça a Brasília para cumprir compromissos relacionados à transição de governo e deve voltar na quinta-feira para o Rio de Janeiro.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »