Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

“Coletes amarelos” com mais ânimo e Presidente francês em queda de popularidade

Observador / Lusa

O Presidente Emmanuel Macron, alvo de todas as críticas pela sua política económica, viu o seu índice de popularidade cair 6 pontos, para 23%, segundo uma sondagem terça-feira divulgada.

O movimento “coletes amarelos” não desmobilizou perante o anúncio, terça-feira, do governo francês de suspensão de taxas e marcou nova manifestação para sábado, com o Presidente em queda de popularidade.

Por toda a França, os apelos para mobilizar um quarto sábado consecutivo de manifestações dos “coletes amarelos” foram mantidos.

O Presidente, Emmanuel Macron, alvo de todas as críticas pela sua política económica, viu o seu índice de popularidade cair 6 pontos, para 23%, segundo uma sondagem terça-feira divulgada.

O chefe de Estado recebeu terça-feira durante uns minutos um “colete amarelo” no Palácio do Eliseu, mas ninguém revelou o teor da conversa.

Dois jogos de futebol da Ligue 1, PSG – Montpellier e Toulouse-Lyon, marcados para sábado, já foram adiados.

Eric Drouet, um dos membros mais conhecidos dos “coletes amarelos”, já convocou o movimento para “voltar a Paris” no sábado, “perto de locais de poder, dos Campos Elísios, do Arco do Triunfo, do Concorde”.

“As pessoas estão cada vez mais motivadas, estão a organizar-se, seremos ainda mais numerosos”, disse Drouet à agência France Presse.

Benjamin Cauchy, outra das figuras do movimento, reconheceu um “primeiro passo” nas medidas do governo.

Mas “os franceses não querem migalhas, querem a varinha na íntegra”, disse.

Envolto na crise provocada pelo movimento dos “coletes amarelos”, o governo francês anunciou terça-feira a suspensão de um aumento nas taxas de combustível para “trazer de volta o apaziguamento” ao país.

Mas as palavras do primeiro-ministro Édouard Philipp, não parecem ter tido grande efeito nos manifestantes, que prometem novas manifestações no próximo sábado.

“Nenhum imposto merece pôr em perigo a unidade da nação”, disse o primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, em um discurso na televisão, acrescentando que “seria necessário ser surdo” para “não ouvir a raiva” dos franceses.

Segundo os analistas, este anúncio representa um revés para Emmanuel Macron, que, desde o início do seu mandato, fez questão de não ceder às ruas.

Depois de receber sindicatos e políticos segunda-feira, Édouard Philippe apresentou esta terça-feira medidas que procuram “trazer calma e serenidade ao país”.

O plano para acabar com a crise inclui uma moratória de seis meses sobre o aumento dos impostos sobre os combustíveis, um congelamento das tarifas de gás e electricidade neste inverno, e nenhum rigor na inspecção técnica dos carros antes do verão.

As medidas deverão conduzir a um aumento do défice de quase dois mil milhões de euros para as finanças públicas, equivalente a 0,1 ponto do PIB, mas “o curso da redução da dívida será mantido”, assegurou na sequência o ministro das Finanças, Bruno Le Maire, procurando tranquilizar os seus parceiros europeus.

Os empresários já se congratularam terça-feira com esta medida governamental.

“Os anúncios do primeiro-ministro abriram a via do diálogo”, afirmou Alain Griset, presidente da União de empresas de proximidade, representando artistas, comerciantes e profissões liberais.

Quem se juntou à polémica foi o Presidente dos EUA, que terça-feira ‘retweetou’ uma entrada de um analista conservador, que relatava que nas manifestações em França se canta: “Queremos Trump!”.

“Há tumultos na França socialista por causa de impostos da esquerda radical”, colocou o comentador Charlie Kirk na rede social Twitter, sendo replicado por Donald Trump.

O comentador concluía que “a América está a prosperar, enquanto a Europa está a arder”, para aparente agrado do Presidente dos EUA.

O Presidente francês cancelou uma visita à Sérvia, programada para quarta-feira, e foi terça-feira visitar a Prefeitura de Puy-en-Velay, que foi incendiada no passado sábado, após uma manifestação de “coletes amarelos”.

Para o próximo sábado, mais manifestações estão marcadas e o ministro do Interior francês, Christophe Castaner, prometeu reforços policiais, muito superiores aos que foram destacados no dia 01 de Dezembro.

“Vamos mobilizar as forças em 65 mil elementos”, disse o ministro em audiência na Comissão de Leis do Senado.

Nicolas Hulot, um conhecido activista ambiental, também já veio avisar que a manifestação marcada para sábado acontece numa altura pouco aconselhável.

“Na minha opinião, que apenas me implica, acho que este é um mau momento para estas manifestações, pela confusão de mensagens”, disse Hulot, referindo-se à coincidência de datas com a Conferência do Clima, que se realiza na Polónia.

Desde os tumultos violentos em todo o país no sábado – incluindo saques e incêndios em bairros chiques e simbólicos de Paris – que chocaram o mundo, o governo francês está envolvido numa corrida contra o relógio para tentar conter os danos.

Quatro pessoas morreram e centenas ficaram feridas desde o início das manifestações, em 17 de novembro.

Em consonância com o compromisso assumido na semana passada pelo presidente Emmanuel Macron, uma ampla consulta será realizada nos próximos três meses, confirmou terça-feira o primeiro-ministro.

Cidadãos, sindicatos, representantes locais eleitos, parlamentares e associações foram convidados a “dialogar” sobre as reclamações expressas nas últimas semanas, especialmente na área tributária, pelo movimento “coletes amarelos”.

Depois de ser lento a medir a profunda raiva popular, o executivo teve muitas dificuldades para abrir o diálogo com os “coletes amarelos”, um movimento atípico, nascido de redes sociais, sem líder ou estrutura.

Os anúncios do governo podem não ser suficientes para acalmar a ira dos manifestantes.

Se os manifestantes, terça-feira, decidiram levantar o bloqueio do depósito de petróleo em Brest (oeste), julgando “satisfatórias” as concessões do executivo, muitas outras continuam as suas acções.

“Eles fazem isso para que nos levantemos e vamos para casa, mas não vamos parar”, disse terça-feira Lionel Rambeaux, soldador, num dos bloqueios a uma bomba de gasolina à saída de Le Mans (centro-oeste).

Politicamente, o caso foi terça-feira aproveitado para declarações de oposição.

“Muito pouco e muito tarde”, disse o vice-presidente do Partido Republicano (à direita), Damien Abad.

“Nada para melhorar o final do mês, nada no Smic (o salário mínimo), nada em pensões, nada na ISF”, o imposto sobre a riqueza que os manifestantes chamam para restaurar, denunciou Ian Brossat, líder do Partido Comunista.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »