Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Antigos militares pedem “cautela” a João Lourenço na luta contra a corrupção

Voa

Abílio Kamalata Numa e André Gaspar Mendes de Carvalho “Miau” alertam para uma eventual da crise económica.

A cruzada de João Lourenço contra a corrupção em Angola tem feito correr muita tinta, com opiniões diversas, tanto no país como no exterior.

Mais de um ano após o início da campanha lançada na sua posse a 26 de Setembro de 2017, dois militares das antigas FALA, da UNITA, e da FAPLA, do Governo, alertam o Presidente a “não esticar demasiado a corda”, caso contrário a crise actual pode piorar.

Eles defendem justiça.

Abílio Kamalata Numa, general das ex-FALA, pede a Lourenço que não leve essa cruzada para o lado pessoal.

“Esperamos que não seja uma perseguição a alguns, mas que o sr. Presidente transforme issonum caso nacional, que fale com outras elites do pais e faça uma transição de luta contra corrupção que assegure a estabilidade do país”, defende Numa, lembrando que “as pessoas mais endinheiradas e ligadas a casos de corrupção ainda estão aí e são bem conhecidas”.

Aquele militar acrescenta que se o Presidente não tocou nessas pessoas “é porque tem algum receio do que isso pode provocar, mas se ele for até às últimas consequências tenho certeza que pode provocar alguma instabilidade”.

O também antigo deputado alerta para a situação económica do país “que não é boa” e não convém complicá-la mais ainda.

Outro militar, o almirante André Gaspar Mendes de Carvalho “Miau”, actualmente deputado pela CASA-CE, deixa uma recomendação ao Presidente.

“Isto não pode de maneira alguma transformar se numa batalha contra A ou B, tem que ser uma coisa justa, porque só o Augusto Tomas? Será ele o maior ladrão de Angola? Ele é que levou todo dinheiro lá fora? Porque só ele?”, questiona “Miau”

Uma interrogação a que o almirante deixa e associa um recado:

“É bom que os estadistas tenham uma visão ampla e profunda do que é esta crise, e a maneira mais adequada de a resolver para evitar crises no futuro”, conclui ”Miau”.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »