Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Perspectivas ruins para o G20

DW / Bernd Riegert

Com Trump à frente, populismo e interesses nacionais ganham relevância e impedem busca conjunta de soluções para problemas globais. Assim o G20 não deve durar muito, opina o enviado especial Bernd Riegert.

Dez anos depois de sua criação, o Grupo dos 20 (G20), na qualidade de fórum para a solução dos problemas mundiais, está claramente em risco. Fundado como forma de regulamentar os mercados financeiros internacionais, que haviam saído de controle em meio a uma grave crise, o formato do G20 se tornou obsoleto.

Isso não porque esteja errada a ideia de que problemas globais exigem soluções globais, mas porque a vontade política de muitos participantes se perdeu: isolamento, nacionalismo, proteccionismo estão ganhando relevância como resposta à crise financeira, às supostas consequências de uma globalização sentida como desenfreada.

Líder dessa tendência é sem dúvida alguma o atirador é mesmo Donald Trump, um desconstrutivista assumido, ou seja, alguém que quer destruir a ordem estabelecida porque acredita que ela não lhe serve. Nisso ele simplesmente cria novas regras, que favorecem apenas a ele mesmo. O que interessa é o resultado rápido e a popularidade em casa, sem se importar com os outros e com o resto do mundo. E Trump – e isso é fatal – não está sozinho.

O presidente russo, o príncipe herdeiro saudita, o autocrata turco e o presidente chinês, todos reunidos no G20, não dão muita bola para Direito e Justiça. E esse clube do “Meu país primeiro” ganha cada vez mais membros. No México, um populista acabou de assumir o poder. No Brasil, um radical de direita assumido entrará em Janeiro no Palácio do Planalto. Tudo isso cria perspectivas ruins para a próxima cúpula do G20, em Osaka, no Japão.

A chanceler federal da Alemanha, o primeiro-ministro do Canadá, o presidente da França e os representantes da União Europeia – que ergueram a bandeira do multilateralismo em Buenos Aires – estão cada vez mais isolados. Mesmo dentro da União Europeia é perceptível que populismo e interesses próprios ganham força. O exemplo mais recente é o governo populista da Itália.

A árida declaração de intenções da cúpula do G20 em Buenos Aires deixa a impressão de que esse clube, que reúne representantes de dois terços da humanidade, é só uma casca sem conteúdo. É verdade que os signatários ainda se declaram a favor de uma reforma do sistema de comércio internacional. Ao mesmo tempo, porém, partes do grupo punem-se mutuamente com taxas de importação, na esperança de abocanhar uma fatia maior do bolo da economia mundial. Teoria é uma coisa, a prática é bem outra.

Trump, que participou de apenas alguns encontros no G20, provavelmente logo dará cabo do grupo. Seu assessor de segurança considera o fórum supérfluo, apesar de ele ser o único órgão de tomada de decisões politicamente relevante em nível global. É cada vez mais difícil explicar para o público e para os eleitores no próprio país – isso quando os há – para que o G20 serve se há nele cada vez mais grosseirões que só pensam nos próprios interesses.

Até hoje, o G20 não conseguiu nem mesmo cumprir sua tarefa primordial, ou seja, regulamentar em nível internacional a taxação de empresas da era digital. Ela foi mais uma vez adiada, por pressão dos Estados Unidos, para a cúpula depois da próxima, caso esta venha mesmo a ocorrer. Rebaixar o G20 para o nível ministerial, como antes de 2008, ou mesmo acabar com o grupo seria uma vitória que não se deveria permitir para os nacionalistas. Assim, o provável é que as cúpulas continuem, mas o G20 pode facilmente virar um morto-vivo a caminho da execução política.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »