Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Bolsonaro compara índios em reservas a animais em jardins zoológicos

O presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, afirmou que manter índios em reservas demarcadas é tratá-los como animais nos jardins zoológicos, considerando que estão em “situação inferior” e temendo que as suas terras possam ser no futuro países, escreve o Jornal de Notícias que cita a Lusa.

“Ninguém quer maltratar o índio. Na Bolívia, um índio é Presidente [numa referência a Evo Morales, presidente da Bolívia], porque é que no Brasil devemos mantê-los reclusos em reservas como se fossem animais em zoológicos?”, questionou Jair Bolsonaro, acrescentando: “O índio é um ser humano igualzinho a nós”.

Em declarações à imprensa, no decurso de uma visita a São Paulo, o futuro chefe de Estado do Brasil considerou que o índio ainda está “em situação inferior” à dos restantes brasileiros, o que não pode ser usado como justificação para a demarcação de uma “enormidade” de terras que poderão, no futuro, ser transformadas em “novos países”.

“Não podemos usar o índio, que ainda está em situação inferior a nós, para demarcar essa enormidade de terras que, no meu entender, poderão ser, sim, de acordo com a determinação da ONU [Nações Unidas] novos países no futuro. Justifica, por exemplo, ter a reserva Yanomami duas vezes maior do que o tamanho do estado do Rio de Janeiro para, talvez, nove mil índios? Não se justifica”, frisou o político da extrema-direita, em visita a uma comunidade religiosa.

Bolsonaro foi ainda questionado sobre a capacidade do futuro Governo de conseguir reduzir a desmatação e a emissão de gases de efeito estufa, metas que fazem parte do Acordo de Paris, relativo às alterações climáticas.

“Sobre o Acordo de Paris, nos últimos 20 anos, eu sempre notei uma pressão externa, e que foi acolhida no Brasil. Por exemplo, cada vez mais demarcar terra para índios, demarcar terra para reservas ambientais, entre outros acordos que, no meu entender, foram nocivos para o Brasil”, exemplifico o antigo capitão do Exército.

O presidente francês, Emmanuel Macron, avisou na quinta-feira que recusará assinar um acordo de comércio entre a União Europeia e o Mercosul se o Brasil sair do Acordo de Paris.

A posição foi assumida após uma reunião com o Presidente da Argentina, Maurício Macri, em Buenos Aires, onde líderes mundiais estão reunidos para participar na cimeira do G20, das 20 economias mais industrializadas do mundo.

“Não sou a favor de assinar acordos comerciais amplos com poderes que tenham anunciado que não respeitarão o Acordo de Paris”, advertiu o chefe de Estado francês.

Na resposta, Jair Bolsonaro disse à imprensa que não pretende assumir compromissos ambientais que causem impacto no agronegócio brasileiro.

“Macron está a defender a França. Esse acordo Mercosul com a União Europeia atinge os interesses da França, um país voltado também para o agronegócio. A partir do momento que querem diminuir a quantidade de [produtos] exportáveis nossos, logicamente que não podem contar com o nosso apoio. Mas não é um não em definitivo, nós vamos negociar”, afirmou Bolsonaro, citado pela agência Brasil, após participar numa cerimónia de graduação de sargentos da Força Aérea, em São Paulo.

Na sexta-feira, atual presidente brasileiro, Michel Temer, mostrou-se a favor da permanência do país sul-americano no Acordo de Paris.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »