Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Noventa e quatro igrejas não reconhecidas remetem processos de legalização

FIÉIS NO CULTO DE ACÇÃO DE GRAÇAS NA CIDADELA (ARQUIVO) (FOTO: ASPIRANTE)

Noventa e quatro confissões religiosas não reconhecidas remetaram os processos ao Ministério da Cultura para o reconhecimento e legalização das suas actividades cristãs, segundo uma nota de imprensa enviada nesta sexta-feira, à Angop, pela instituição.

Este número de processo remetido ao Ministério da Cultura é parte de um total de mil 106 confissões religiosas não reconhecidas existentes em todo país.

“A legalidade de tais actos tem sido objecto de monitorização pelos ministérios da Cultura e da Justiça e dos Direitos Humanos”, lê-se na nota.

Neste sentido, lê-se ainda no documento, as confissões religiosas não reconhecidas que possuem o processo de reconhecimento em curso não estão abrangidas pelo regime de encerramentos de locais de culto, desde que estejam em espaços adequados.

O Instituto Nacional para os Assuntos Religiosos continua a registar novos pedidos de reconhecimento e irá anunciar a fase de recepção dos mesmos, tendo em conta as tarefas em curso relactivas ao Decreto Executivo Conjunto nº 454/18.

No quadro da Operação Resgate, os governos provinciais desenvolvem tarefas inerentes ao encerramento de locais de culto em espaços inadequados, em cumprimento de Decreto Executivo Conjunto e da demais legislação em vigor.

O Ministério da Cultura acrescenta que até ao momento não foram encerradas quaisquer confissões religiosas não reconhecidas, mas alguns locais de culto que não obedecem o disposto pelo nº 7 do Decreto Executivo Conjunto nº 454/18, de 16 de Outubro, processo que obedece ao princípio da legalidade, informação e da colaboração.

Acrescenta que irá tornar público a lista nominal das 94 confissões religiosas não religiosas que deram entrada do seu processo de reconhecimento ao abrigo do Decreto Executivo conjunto 454/18, de 16 de Outubro e caso se verificar eventuais anormalidades na análise do respectivo processo, bem como o processo de entrega de assinaturas junto do Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos serão previamente notificadas.

O Governo extinguiu as plataformas ecuménicas no país, numa medida que visa normalizar o exercício da liberdade da religião, crença e culto previsto na Constituição da República.

Tal determinação vem expressa no Decreto Executivo Conjunto 01/2018, dos ministérios do Interior, da Administração do Território e Reforma do Estado, da Justiça e Direitos Humanos e da Cultura, que revoga a circular Nº 228/15, de 25 de Junho, do ministro da Justiça, sobre as plataformas ecuménicas.

As confissões religiosas cujos processos tenham resultado de desmembramento, cisão e que exerçam actividade religiosa que não atente contra a Lei e os bons costumes, devem, no prazo de 30 dias, suprimir as inconformidades, ao abrigo da Lei n.º 2/04, de 31 de Maio.

A Lei é relativa ao exercício da liberdade de consciência, de culto e de religião e do Decreto-Lei n.º 16-A/95, de 15 de Novembro, sobre as Normas do Procedimento e da Actividade Administrativa.

No documento lê-se ainda que as confissões religiosas não reconhecidas, que possuam requisitos mínimos para o seu reconhecimento, devem remeter ao Instituto Nacional para os Assuntos Religiosos do Ministério da Cultura elementos instrutórios e sobre a sua situação organizativa e de funcionamento, apresentando, entre outros, uma comissão instaladora no prazo de 30 dias.

Em relação às confissões religiosas reconhecidas, devem actuar nos marcos da Lei e dos bons costumes e abster-se de realizar propaganda enganosa nos cultos, práticas e actos que atentam contra os direitos económicos, sociais e culturais dos cidadãos. (Angop)

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »