- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Cabo Verde Maior partido da oposição em Cabo Verde defende adesão ao Plano Marshall...

Maior partido da oposição em Cabo Verde defende adesão ao Plano Marshall com África

A presidente do maior partido da oposição em Cabo Verde (PAICV) defendeu esta terça-feira a adesão do país ao Plano Marshall com África, criado pelo executivo alemão, considerando que este pode ajudar os agricultores cabo-verdianos a aumentar os seus rendimentos.

Janira Hopffer Almada falava durante uma conferência de imprensa na qual fez um balanço da recente missão de quatro dias à Alemanha, que realizou com o objetivo principal de conhecer iniciativas deste país que “apostam na economia em África”.

Nesse sentido, a presidente do PAICV inteirou-se da iniciativa “Pacto com África”, que está aberta a todos os países africanos que trabalham sustentavelmente numa melhoria das condições básicas para os investimentos privados.

“O Pacto com África prevê um planejamento a longo prazo para estimular investimentos privados em África” e “já suscitou interesse de vários países africanos, como a Costa do Marfim, Ruanda, Senegal, Marrocos e Tunísia”, disse.

Janira Hopffer Almada considerou que esta “pode ser uma iniciativa muito interessante para Cabo Verde”.

E acrescentou que, logo a seguir ao lançamento do Pacto com África, o ministro da Cooperação Económica e Desenvolvimento da Alemanha lançou um pacote que designou de Plano Marshall para África, com um pacote inicial de 300 milhões de euros, e que se destina a estimular investimentos privados para criar empregos, mas também para garantir a melhoria das condições de vida, combatendo a longo prazo o êxodo para outros países”.

“Esta iniciativa pode ser muito interessante para o nosso país, uma vez que defendemos uma cooperação em nível de igualdade, baseada no interesse e vontade mútuos”, afirmou.

A presidente do PAICV acredita que Cabo Verde pode ter interesse em aderir a esta iniciativa e, nesse sentido, apelou ao Governo para que trabalhe e faça diligências para melhor conhecer este plano para África.

Como exemplo concreto dos ganhos que esta iniciativa já trouxe para vários países africanos, Janira Hopffer Almada referiu o comércio da castanha do caju, um projeto com um investimento inicial de 50 milhões de euros que está a ser desenvolvido em vários países como o Benim, a Costa do Marfim e Moçambique e já beneficiou cerca de 400 mil agricultores que duplicaram o seu rendimento.

“A produção é aumentada, o beneficiamento é melhorado, a comercialização é profissionalizada e a exportação cresce e a renda das pessoas aumenta”, disse.

Janira Hopffer Almada apelou ao Governo para que “analise a possibilidade de aderir a esta iniciativa a que muitos países africanos já aderiram e que já tem impactos concretos e positivos na vida de muita gente”.

“A nossa ideia é uma cooperação em nível de igualdade, baseada em vontade e interesses mútuos. Entendemos que as soluções de investimento privado que ocorram em Cabo Verde estimuladas por outros países também devem envolver o setor estratégico nacional”, prosseguiu.

“Há também toda uma relação de cooperação que está a ser reforçada ao nível político e partidário entre o PAICV e o SPD. O que queremos é, através das nossas relações de cooperação, com os partidos da mesma família política do PAICV, contribuirmos para a qualificação da democracia”, adiantou. (Observador)

por Lusa

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.