- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Portugal Marcelo sobre Borba. "Justiça muito lenta, acaba por não ser justa"

Marcelo sobre Borba. “Justiça muito lenta, acaba por não ser justa”

Presidente avisa que “há um tempo útil para o apuramento de responsabilidades”.

O Presidente da República disse que, também no acidente de Borba, “há um tempo útil para apuramento de responsabilidades”, admitindo que “justiça que é muito lenta, acaba por não ser justa”.

“Espero que também não demore muito tempo a apurar porque os portugueses há uma coisa que têm muito presente: é que há um tempo útil para apuramento de responsabilidades e que justiça que é muito lenta, acaba por não ser justa”, afirmou.

O chefe de Estado, que falava domingo à margem da cerimónia de entrega do Prémio Manuel António da Mota, no Porto, reiterou que, no caso de Borba, “parece evidente que há uma responsabilidade objetiva” do Estado ainda que, depois, se possam apurar responsabilidades mais “específicas”.

“Parece evidente que há uma responsabilidade objetiva no sentido em que, quando uma estrada que é uma responsabilidade pública cai e há vítimas mortais, pois é natural que haja responsabilidade civil objetiva perante os familiares dessas vítimas. Saber depois qual é a entidade que é especificamente responsável por aquilo que aconteceu é isso que vai ser apurado”, defendeu.

Na sexta-feira, o primeiro-ministro considerou que, no colapso da estrada entre Borba e Vila Viçosa, não há uma evidência da responsabilidade do Estado, salientando que aquela via rodoviária não é desde 2005 da gestão das infraestruturas estatais.

“Se houver alguma responsabilidade com certeza, mas, ao contrário de outras circunstâncias, não há uma evidência da responsabilidade do Estado”, disse.

Faltam localizar duas viaturas

O comandante distrital de Operações de Socorro (CODIS) de Évora afirmou que devem ser “moderadas” as expectativas de encontrar desaparecidos no decorrer das operações na pedreira atingida pelo deslizamento de terras e colapso de estrada em Borba.

José Ribeiro acrescentou ainda que, nesta altura, as autoridades desconhecem a localização das duas viaturas que foram arrastadas para a pedreira na sequência do colapso da estrada.

Além de dois mortos confirmados, o maquinista e o auxiliar da retroescavadora, há registo de três desaparecidos na zona, segundo as autoridades locais, que viajavam num automóvel e numa carrinha de caixa aberta que foram arrastados para dentro da pedreira quando passavam na estrada que ruiu.

O deslizamento de um grande volume de terras e o colapso de um troço da estrada entre Borba e Vila Viçosa, no distrito de Évora, para o interior de poços de pedreiras ocorreu na segunda-feira passada às 15h45. (Renascença)

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.