Portal de Angola
Informação ao minuto

Os nossos serviços de segurança não aceitavam que a sucessão fosse feita por alguém do interior

Grande entrevista com Lopo do Nascimento (DR)

Percurso de Lopo do Nascimento – o 1.º primeiro-ministro que poderia ter sido o 2.º Presidente de Angola, mas a DISA não deixou. Sucessos e reveses do ex-político de um partido que aprendeu a controlar publicamente as lutas internas.

Comecemos em 1975, e com a sua frase: ‘vamos partir os dentes à pequena burguesia’. Ainda hoje a diria?

Não. Naquela altura havia um certo contexto, não apenas em relação ao caminho que o país estava a seguir, mas também em relação aos problemas internos do MPLA. Sabem que o ‘27 de Maio’ foi o resultado de conflitos, de uma luta interna entre várias concepções esquerdistas do MPLA. Não podemos retirar a frase de uma certa época. Naquela altura o Movimento transformou-se em MPLA – Partido do Trabalho, num partido comunista, e, surpreendentemente, a própria União Soviética, não estava de acordo com este caminho.

E qual seria o caminho?

O que o MPLA era anteriormente, um partido socialista. Os soviéticos não queriam que houvesse em África partidos comunistas que tomassem o poder. Quando esteve aqui uma delegação para analisar os documentos em que nós estávamos a trabalhar, a informação que deram foi negativa.

No que é um bocado contraditório, não acha?

Não. Eles sabiam que em África não havia a possibilidade de se criar um partido comunista que se consolidasse.

E a determinada altura a palavra ‘burguês’ vira-se contra si. É afastado pelo Presidente Neto porque tem uma outra interpretação, não tanto do conceito burguês, mas do rumo que o partido tomava?

Não fui afastado pelo Agostinho Neto por questões deste tipo. Fui afastado porque os russos detectaram que ele tinha um cancro, que não ia demorar muito tempo, e os cubanos andavam a insistir que era preciso preparar a sucessão. Os nossos serviços de segurança não aceitavam que a sucessão fosse feita por alguém do interior – eu era do interior, nunca tinha andado na mata a combater. Inventaram que os cubanos queriam dar um golpe de Estado para afastar o Agostinho Neto, e isso serviu de pretexto para me afastarem. Eu saí porque os serviços de segurança informaram o Agostinho Neto que os cubanos estavam a preparar para que eu o substituísse. E é evidente que quem está doente não aceita bem uma coisa dessas.

Não lhe era estranha a ideia de suceder a Agostinho Neto?

Vou contar-vos uma coisa: eu fui trabalhar para a Comissão Económica das Nações, e o Agostinho Neto, antes de ir para Moscovo, onde ele sabia que seria operado, mandou-me chamar, mas os camaradas que receberam instruções para me mandarem a carta, não a enviaram. Quando o Agostinho Neto morreu, venho para cá, e no aeroporto, a primeira pessoa que me recebeu, o Paulo Jorge, disse: ‘Então o Presidente mandou-te chamar e tu não vieste? Queria falar contigo antes de ir para Moscovo’. E eu disse: ‘Não, ninguém me disse nada’. ‘Não te disseram nada?! O fulano, o fulano e o fulano receberam ordens do bureau político para te mandarem chamar’.

Quem são esses fulanos?

Não vou dizer nomes

Hoje, fala-se muito das questões internas, mas a intriga domina o MPLA desde o início?

Acho isso lógico. Faço política, e política é isto. Eu tinha um problema: era dirigente do MPLA no interior, porque o MPLA, em 1962, quis seguir a estrutura da luta de libertação da Argélia, que tinha uma luta armada, dirigida a partir da Tunísia, e criou a FLN (Front de Liberation National) interna, para dirigir a política interna, e o MPLA foi por esse caminho e criou o MIPLA (Movimento Interno Popular para Libertação de Angola), que tinha uma estrutura que dirigia internamente a luta. Mas tinha um problema diferente dos argelinos: aqui os colonos eram portugueses e não eram franceses. Era muito difícil fazer uma luta interna a partir de um centro de decisão. Então optou-se pela criação de diversos comités – a estrutura comunista do triângulo.

O que é que aconteceu?

As pessoas podiam ir para a escola aprender, mesmo os militares tinham uma formação superior comparados com que estavam lá fora. E isto foi a primeira ‘maka’ do 27 de Maio. Os serviços de segurança quiseram limpar tudo quando os quadros do interior começaram a subir. E como nós vivíamos aqui com os portugueses éramos olhados com desconfiança, e mais, vinham com a ideia de que como não tínhamos andando na guerrilha não podíamos subir.

Um comunismo que se aproximava mais da Jugoslávia de Tito?

Sim, e isso criou problemas ao Agostinho Neto. Quando o MPLA veio para cá, em 1974, os russos tinham cortado as relações com o Neto.

Que foi próximo de Olof Palme, tinham uma relação pessoal. Porque é que Angola não se tornou uma social-democracia?

É muito fácil: nós estávamos em guerra, a tropa que estava aqui era cubana e o armamento era russo. Como é que podíamos estar ligados à Suécia? O MPLA sempre trabalhou com a ajuda da União Soviética. Quando o MPLA teve problemas internos, houve uma divisão, e os soviéticos, que apoiavam o MPLA, em 1972, 1973, passaram a apoiar o Chipenda, que era o homem que dirigia as forças armadas.

Por outro lado, os soviéticos tinham muita desconfiança do Agostinho Neto porque ele era amigo do Tito, e a visão do Tito não era a mesma dos soviéticos, e não queriam dar o apoio ao Neto. Quem conseguiu mudar essa questão foi o presidente Boumediene, da Argélia, e o presidente do Congo, Ngouabi, que convenceram os soviéticos que apoiar Angola era apoiar o MPLA e não os outros. O Congo e a Argélia foram fundamentais.

Então o núcleo de Neto só se sobrepõe à ‘Revolta do Leste’ porque houve interferências externas, e são elas que dominaram o jogo interno? Não, não é só por isso. O núcleo interno do MPLA estava ligado ao Neto, ele é que era o nosso líder, tudo resto era gente que dividia o partido, e, perante isso, nós decidimos ficar com o Neto. Nós, do MPLA, que estávamos na Argélia (1973/1974), fizemos um documento contra a ‘Revolta Activa’, e eu recebi indicações dos que estavam cá para que, claramente, atacássemos a ‘Revolta Activa’ e que nos colocássemos ao lado do Neto.

Se, em 1973, o movimento interno acredita na liderança de Neto, porque é que tudo se desfaz em 1977?

O movimento interno foi criado em 1962,em 1963 fomos presos, e foi praticamente destruído, o que nos levou a perceber que não podia haver um único centro de decisão – nessa altura, o dirigente máximo era o Hermínio Escórcio, do MINA (Movimento de Independência Nacional Angolano). Fui preso nessa altura, em 1963, e só saí em 1968, estive cinco anos na cadeia. Mas as lutas internas no MPLA são desde sempre.

E como é que foi possível que o MPLA tenha conseguido ultrapassar todas estas questões?

É porque havia uma concepção – pelo menos, foi o que sempre a defendi – de não vir cá para fora com os problemas internos.

O MPLA não expõe as dissensões na praça pública, mas o Lopo fê-lo não há muito tempo?

Porque já não sou dirigente do MPLA, abandonei a política. Mas como dirigente, sempre apresentei os documentos que tinha a apresentar ao meu partido. Não estava de acordo com a concepção centralizadora do Planeamento. Fui ministro do Plano e nunca vim cá para fora dizer isto ou aquilo, mas apresentei um trabalho ao partido dizendo que não funcionava. O Presidente José Eduardo percebeu, e mudou.

Estava preparado?

Não posso dizer se estava ou não preparado. Teria de ter sido escolhido. Quando eu fui nomeado primeiro-ministro – nomeado, não, escolhido – na direcção surgiram dois nomes, o meu e do Saidy Mingas, e quando disseram ao Presidente Neto quem era os nomes – eu não estava em Angola nessa altura -, ele indicou ao partido que devia ser nomeado o camarada Lopo, que era uma pessoa do interior, que conhecia as pessoas, conhecia os funcionários, e nós precisámos de manter as pessoas, para que não fugissem. O que já não acontecia com o Mingas.

Assume a liderança, como primeiro ministro, do governo de transição. O que é que correu mal?

Primeiro, a estrutura de governação era muito pouco operacional, três primeiros ministros, a cada mês era um que dava ordens. Mas a estrutura era uma coisa mínima, podia ter sido alterada, o problema é que havia visões muito diferentes do que se queria fazer. Que, naquela altura, eram irreconciliáveis.

O senhor é tido como o homem do diálogo, quando é que cedeu e percebeu que o conflito só se resolvia pelas armas no terreno? Ou isso foi-lhe imposto?

Não, não me foi imposto… (pausa). Sempre pensei que era possível chegar a entendimentos, nas discussões, nos acordos…

Foi ingénuo, portanto?

A palavra é essa. Acho que tive uma certa ingenuidade, e o Savimbi fez-me perder a credibilidade. No Conselho Nacional de Defesa do Governo, partilhava que era preciso ir discutir com a UNITA, mas o militares não concordavam, diziam-me que não tinha solução, até que chegou uma altura em que as pessoas que defendiam o meu ponto de vista, e entre elas o próprio Presidente José Eduardo, concordaram que os militares tinham razão. (Vanguarda)

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »