Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Isabel dos Santos considera “normal” decisão da corte de arbitragem

Tribunal de Paris alegou não ser competente para julgar processo, sendo a decisão irrecorrível. Isabel dos Santos entende que “arbitragem ainda não começou” e que não há vencedores.

A empresária Isabel dos Santos considerou “normal” o facto de o Tribunal de Arbitragem da Câmara de Comércio Internacional (CCI), em Paris, ter comunicado que não tem competência para julgar a acção arbitral apresentada pela Atlantic Ventures SA contra o Estado, no processo sobre o Porto da Barra do Dande.

Em resposta ao VALOR, a empresária entende que o tribunal não tenha dado “razão ao Estado angolano”, mas apenas comunicado que não tinha competência para julgar o caso. De qualquer forma, o “processo está em dois tribunais e ainda está no início”, avançou Isabel dos Santos, sem adiantar o nome do outro tribunal.

O Ministério dos Transportes anunciou, em comunicado, que o CCI se declarou “incompetente” para julgar a acção arbitral apresentada pela Atlantic Ventures contra o Estado. No comunicado, é descrito que o tribunal fundamentou a sua decisão por considerar que a empresa “não celebrou qualquer contrato de concessão com o Estado angolano, a Presidência da República, o Ministério dos Transportes, o Ministério da Construção e Obras Públicas e a Empresa Portuária de Luanda”.

A declaração do Governo informa que a decisão do tribunal foi tomada a 8 de Novembro e comunicada a todas as partes, sendo a resolução “irrecorrível”. O ministério salienta que a decisão é “demonstrativa que, tal como sempre referido, a Atlantic Ventures não celebrou qualquer contrato de concessão com as entidades públicas angolanas, não sendo e nunca tendo sido concessionária do Porto da Barra do Dande”.

Isabel dos Santos insiste, no entanto, que a “arbitragem ainda não começou” e que o CCI “apenas disse que deve ser outro tribunal a analisar” o processo. “Aliás, nenhum tribunal internacional se pode pronunciar em tão pouco tempo. O processo está em dois tribunais e ainda está no início”, reitera, acrecsentando que, nesta fase, “não nos vamos pronunciar sobre a questão”.

Para Isabel dos Santos, o conflito sobre o Porto do Dande “enviou um mau sinal” à comunidade empresarial. “Depois da aprovação em Conselho de Ministros e Decreto Presidencial, afastar investidores internacionais que querem construir, pagar a obra, enviou um mau sinal para toda a comunidade empresarial, por isso estamos todos a perder. Este ano, poderiam ter sido criados mais de dois mil novos empregos”, argumentou a empresária.

Em Julho deste ano, o Presidente da República revogou a concessão atribuída à Atlantic Ventures para a construção e exploração do porto de águas profundas da Barra do Dande, por alegadamente não ter respeitado, entre outros, a legislação sobre a realização de concursos públicos, para empreitadas de grande dimensão.

A concessão tinha sido aprovada em decreto presidencial, assinado pelo ex-chefe de Estado, José Eduardo dos Santos, a 20 de Setembro de 2017, seis dias antes da posse de João Lourenço. A concessão era por 30 anos e a obra avaliada em 1,5 mil milhões de dólares, envolvendo a emissão de uma garantia soberana do Estado, no mesmo valor, a favor da empresa.

Na acção apresentada no tribunal de Paris, depois de João Lourenço ter revogado a concessão, de acordo com o comunicado do Ministério dos Transportes, a Atlantic Ventures exigia uma indemnização de 850 milhões de dólares.

Acções da Ende na Efacec abertas a investidores

Por outro lado, a empresária garantiu que “está em curso o processo de venda das acções” da Empresa Nacional de Distribuição de Eletricidade (Ende) na portuguesa Efacec. “Sim, estão à venda as acções, a empresa não é cotada em bolsa, é um processo de venda directa a investidores”, explicou, para depois acrescentar que “não há previsões” em relação ao ‘timing’ para conclusão do processo.

Na edição do VALOR de 13 de Agosto, a empresária adiantara que tinham sido informados que o Presidente da República ordenou a saída da empresa pública na parceria com a empresa portuguesa. “Foi-nos comunicado que foram dadas instruções, pelo sr. Presidente da República, ao ministro de Energia e Águas para a saída da Ende da Efacec. As acções detidas pela Ende serão vendidas no mercado internacional”, declarou.

O ‘fim do casamento’ também foi confirmado pelo ministro da Energia e Águas, João Baptista Borges, que alegou que, na base da decisão, estava o facto de a parceria, com operações no domínio da engenharia e energia, ter como condição ser a Ende a procurar fundos públicos para suportar o negócio da Efacec, “sem que tivessem sido salvaguardadas as devidas contrapartidas”.

A Efacec Industrial foi, oficialmente, adquirida em Maio de 2015 pela Winterfell, de Isabel dos Santos, por 195 milhões de euros. Em Agosto do mesmo ano, um decreto presidencial autorizava a Ende a comprar 40% da Winterfell. Na altura, questionou-se a transferência do negócio. (Valor Económico)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »