- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Angola Sociedade Governo de Luanda quer definir novos modelos de recolha de lixo

Governo de Luanda quer definir novos modelos de recolha de lixo

O Governo Provincial de Luanda vai, a partir de Janeiro de 2019, definir novas formas de taxar e cobrar, assim como introduzir o conceito de que há fluxos de recolha de lixo da responsabilidade do sistema público e outro industrial.

O sistema público vai atender o lixo doméstico e todas as grandes superfícies terão a responsabilidade de firmar contrato com empresas licenciadas pelo Governo Provincial. Ao Estado caberá apenas a definição de regras e fiscalizar.

Os consumidores domésticos passarão a pagar duas taxas, uma referente a higiene do meio e outra com a recolha e tratamento do lixo produzido pelos munícipes.

Sem adiantar os valores a serem cobrados, o assessor do vice-governador para o sector económico, Antas Miguel, informou que as taxas serão indexadas a factura da energia eléctrica, por forma tornar eficaz a sua cobrança.

A novidade foi dada esta quinta-feira durante uma entrevista que visou esclarecer o actual estado da cidade, caracterizado por amontoados de lixo em várias ruas da capital, por falta de recolha dos resíduos sólidos.

O regulamento está em fase de aprovação e espera-se que até ao final do ano os munícipes conheçam as regras de participação, suas obrigações e penalizações em caso de incumprimento.

O assessor garantiu que as taxas serão inferiores as actuais.A taxa do lixo, que começou a ser cobrada em Janeiro de 2017, está fixada em 2.500 kwanzas para a zona urbana e 1500 kwanzas para as áreas sub-urbanas.

Antas Miguel realça que o actual modelo deve ser mudado, adaptando-se de forma específica, a cada zona, seja urbana, semi-urbana ou sub-urbana, estruturando o sistema de limpeza em função do tipo da ocupação.

A eficiência sanitária deve ser tida em conta, assim como a operacional que aumenta os custos de limpeza, por falta de uma sincronia entre o período em que se deposita o lixo e a hora da sua recolha.

Entretanto, a falta de pagamentos às operadoras de recolha de lixo, há dez meses, está a dificultar a operacionalidade destas, que se vêm incapazes de cobrir as suas despesas com salários, combustíveis e manutenção dos meios.

A província de Luanda conta com nove municípios e cada um com uma operadora de recolha dos resíduos. (Angop)

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.