Portal de Angola
Informação ao minuto

Angola e UNESCO avaliam fórum pan-africano para a cultura de paz em África

Ministra da Cultura, Carolina Cerqueira(Cent.), reúne-se com representante da UNESCO (FOTO: NELSON MALAMBA)

A Comissão Multissectorial abordou nesta quarta-feira, em Luanda, com o representante da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) na África Central, Salah Khaled, aspectos ligados à realização do Fórum Pan-Africano para a Cultura e Paz em África, Bienal de Luanda, bem como a implementação do Projecto de Formação Doutoral, a ter lugar em Setembro de 2019 no país.

O encontro serviu para se passar em revista questões relacionadas com o Festival da Cultura e o programa de actividades, a mobilização de recursos, bem como a participação da sociedade civil, fundações e empresários, tendo em conta o fomento das industrias culturais do continente e de outras régiões do mundo como factor para o desenvolvimento sustentável e humano através da cultura.

No final da reunião, a cordenadora da comissão, a ministra da Cultura, Carolina Cerqueira, revelou, à imprensa, que se procedeu a uma reflexão sobre o que é a Bienal de Luanda, o que é a Bienal da Paz e como poderão ser enquadradas as cinco regiões africanas na realização da festa da paz.

Carolina Cerqueira avançou que a organização espera contar com o contributo da diáspora africana pelo mundo, considerando-o como o sexto reforço desta actividade.

A ministra informou ainda que durante cinco anos Angola será a capital da Bienal da Paz, actividade importante para Angola passar a sua experiência de paz , de solidariedade, do desenvolvimento sustentável e da aproximidade.

Para o efeito, será assinado um acordo de compromisso entre Angola e a Unesco, estando previsto a entrega, em Janeiro de 2019, de um relatório, na Etiópia, durante o encontro de chefes de estados, seguido de um acordo tripartido entre Angola , União Africana e Unesco.

O evento visa envolver os países africanos numa corrente destinada à promoção de uma cultura de paz, de harmonia e de irmandade entre os povos através de actividades e manifestações culturais e cívicas, envolvendo as elites africanas e representantes da sociedade civil, autoridades tradicionais e religiosas, assim como intelectuais, artistas e desportistas.

Pretende-se ainda a criação de um movimento africano que possa disseminar a importância da cultura de paz, tendo em conta o desenvolvimento e afirmação dos países africanos em vários domínios, particularmente na defesa dos direitos humanos e das minorias, assim como o combate à corrupção.

A comissão é integrada pelos ministros do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação, das Telecomunicações e Tecnologias de Informação, pelo director do Gabinete de Quadros do Presidente da República e pelo secretário de Estado para a Cooperação Internacional e Comunidades Angolanas.

A comissão multissectorial, que tem a duração de um ano, deve apresentar relatórios trimestrais dos trabalhos ao Presidente da República, João Lourenço, é apoiada por um grupo técnico. (Angop)

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »