- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Economia AJPD volta à carga e pede resposta do PR sobre fraude nos...

AJPD volta à carga e pede resposta do PR sobre fraude nos diamantes

A Associação Justiça Paz e Democracia (AJPD) volta à carga no caso da empresa com ligações a Isabel dos Santos, que, na Bélgica é alvo de um processo de investigação do desvio de cerca de oito mil milhões de dólares dos diamantes angolanos que passavam como oriundos do Dubai, requerendo uma resposta à carta enviada ao Presidente da República no passado mês de Junho.

Segundo a presidente da AJPD, Lúcia da Silveira, a carta enviada em Junho questionava o Chefe de Estado sobre se “Angola já tomou alguma medida para recuperar cerca de oito mil milhões de dólares, decorrentes de uma acção judicial contra a empresa belga Omega Diamonds”.

O processo, que decorre num tribunal na cidade belga de Gante, refere-se a valores que foram desviados de Angola e foram tornados públicos na sequência de uma acção desencadeada pelas autoridades belgas, que investigaram a ligação da empresa ASCorp (Angola Selling Corporation) e a actuação da Omega Diamonds, que terá atribuído classificações fraudulentas aos diamantes provenientes de Angola.

De acordo com a explanação apresentada ao Presidente João Lourenço, a ASCorp, fundada em 2000, com a participação da empresária Isabel dos Santos, detinha o direito exclusivo de vender e exportar diamantes de Angola.

Lúcia Silveira explicou ao ao NJOnline, à margem da 3.ª conferência sobre “Transparência, Corrupção, Boa Governação e Cidadania em Angola”, promovida pela AJPD, em que esteve presente a eurodeputada Ana Gomes a convite da associação, que “a Presidência da República não deu, até à data, qualquer resposta sobre se já foram tomadas medidas para recuperar a favor do Estado angolano os oito mil milhões de dólares que se encontram na Bélgica”.

Na carta enviada ao PR, a AJPD explicava como o alegado esquema de lavagem de diamantes fazia com que as “pedras preciosas” angolanas chegassem à Bélgica como se fossem provenientes do Dubai”, citando o belga David Renous, perito em geopolítica diamantífera e autor da denúncia, que explicou como o esquema de lavagem de diamantes, os diamantes são comprados em Angola por um preço cerca de 40% mais baixo em relação aos preços de Antuérpia, e são então vendidos em Antuérpia pelo preço de mercado, apagando-se a ligação entre Angola e Antuérpia.

Também em Junho, o Presidente da República angolano deslocou-se a Estrasburgo para discursar no Parlamento Europeu, onde garantiu estar em curso em Angola “uma verdadeira cruzada contra a corrupção e a impunidade em toda a sociedade, com destaque para os chamados crimes de colarinho branco”.

No seu discurso no Parlamento Europeu, o PR lembrou igualmente que “foi aprovado em Conselho de Ministros o novo modelo de comercialização dos diamantes, que acaba com os chamados clientes preferenciais”.

“Acreditamos que, com esta medida, veremos em breve o regresso das grandes empresas multinacionais do sector, quer das produtoras como das de comércio e de lapidação de diamantes”, expôs.

Já a eurodeputada Ana Gomes, que assistiu à conferência do perito David Renous, voltou a reforçar, no sábado, durante a conferência promovida pela AJPD, que “Angola não precisa de passar pelo Dubai e pelos esquemas que a Ascorp no passado engendrou para desviar recursos do Estado angolano”, mas essa situação, tal como outras, exigem uma vontade política do Estado angolano

“Há hoje leis e mecanismos na Europa, pagos pela própria União Europeia, que podem ajudar as autoridades angolanas”. (Novo Jornal Online)

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.