Portal de Angola
Informação ao minuto

Conheça o polêmico Onyx Lorenzoni, futuro ministro de Bolsonaro

(Tomaz Silva/Ag. Brasil)

Apoiado pela indústria de armas, político é antipetista ferrenho, se diz contra ‘ideologia de gênero’ e ‘sexualização de crianças’ e já associou ativismo LGBT a pedofilia

Veterano de quatro mandatos no Congresso e futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), a exemplo do presidente eleito, não tem histórico de aprovação de projetos relevantes na Câmara. Concentrou sua atuação política em dois eixos: a oposição ao PT e a defesa das armas.

Em eleições de 2002 a 2014, 12% de suas receitas de campanha vieram de empresas de armas, com as quais manteve relação próxima.

Uma de suas bandeiras é a modificação do Estatuto do Desarmamento, que tende a ser uma das primeiras iniciativas do governo Bolsonaro. O deputado apresentou uma série de projetos, por exemplo, para permitir que as polícias estaduais atuem na liberação de licenças -e não só a PF, como é atualmente.

Veterinário, Onyx, 64, disse em 2016 que adquiriu armas após passar por uma “situação de gravidade”, que não detalha: “Isso já tem quase 30 anos, eu nunca mais deixei de estar acompanhado de uma arma que sempre trouxe segurança e proteção para a minha família.”

São várias propostas antenadas com o bolsonarismo, como a ampliação dos excludentes de ilicitude (evita que virem crimes situações de legítima defesa ou ação de forças de segurança) e a flexibilização da posse de armamentos.

Entre outros projetos nessa linha, estão propostas para aumentar a licença para até três armas, a criação do “porte rural de arma de fogo” e a possibilidade de emissão de autorização a quem responde a inquéritos ou processos penais.

A relação de Onyx com Bolsonaro vem desde o início dos seus mandatos. Os dois estiveram na linha de frente do bloco parlamentar que coordenou a vitoriosa campanha contra o desarmamento no referendo promovido em 2005.

Também naquele ano, Onyx havia obtido projeção nacional ao integrar a CPI dos Correios, uma das que apuraram o escândalo do mensalão.

O forte viés antipetista já havia se revelado anos antes no âmbito regional. Como deputado estadual, foi ferrenho opositor do governo do petista Olívio Dutra no Rio Grande do Sul (1999-2002), que passou por turbulências como uma investigação sobre a relação do partido com bicheiros.

Dessa experiência, o novo ministro escreveu um livro, batizado de “500 Dias do PT no Governo São Outros 500”. Com o passar dos anos, sua bibliografia antipetista ganhou três novos volumes, o último deles publicado neste ano -“A Máfia da Estrela: Ascensão e Queda do Império Petista”.

Nada disso o impediu de ter boa relação com o PDT, partido de quem foi aliado em 2014 e legenda de seu suplente na Câmara. O novo chefe da Casa Civil já prestou homenagens a Leonel Brizola, fundador do PDT e ícone da esquerda.

Em meio à aproximação com o capitão reformado, encampou o discurso do perigo “comunista” e do risco da “pátria grande” latino-americana -a união com outros governos de esquerda.

Também passou a enfatizar questões de moral e costumes. Em 2017, após uma exposição de arte sobre diversidade ter sido suspensa diante de críticas de movimentos conservadores, ele apresentou um projeto propondo a criminalização da utilização de recursos públicos em projetos que “promovam a sexualização precoce de crianças”.

Em discurso no plenário, naquela época, mencionou uma mobilização internacional que passava pela ONU para promover a “ideologia de gênero” tendo em vista o controle populacional. “Não há separação entre ideologia de gênero, agenda LGBT, feministas e pedófilos”, disse ele na ocasião.

Procurado para comentar o assunto, ele não respondeu.

Desde o ano passado, Onyx já vinha atuando na articulação da candidatura de Bolsonaro. O seu partido, o DEM, ainda vinha cogitando lançar o atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ), à Presidência, mas o gaúcho já comunicara que marcharia em 2018 com o militar reformado.

Durante a pré-campanha, Maia previu atritos entre o dissidente de seu partido e o então candidato do PSL. “Ele [Onyx] é muito mais liberal que o próprio partido hoje. E Bolsonaro é um político que defende uma política de mais intervenção do estado. Foi assim que votou a vida inteira, em algum momento vai ter uma divergência.”

Maia, na ocasião, mencionou que Onyx já havia sido contra o ingresso do partido em uma rede internacional da corrente Democracia Cristã, defendendo a permanência no movimento “Internacional Liberal”.

O período anterior à campanha eleitoral ainda rendeu visibilidade pela relatoria do projeto de Medidas contra a Corrupção, que acabou não sendo aprovado, mas também proporcionou a sua pior pendência com a Justiça. Em 2017, com a delação da JBS, ele confessou que recebeu R$ 100 mil de caixa dois do grupo na eleição de 2014.

Onyx comanda o diretório gaúcho do DEM desde a década passada e tem sido praticamente o único integrante de destaque no estado.

Em 2015, o novo chefe da Casa Civil conseguiu emplacar seu filho Rodrigo Lorenzoni, 39, em uma diretoria de uma fundação no governo de José Ivo Sartori (MDB).

Neste ano, Rodrigo tentou a Assembleia gaúcha, mas não se elegeu. Fez 17 mil votos, ante 183,5 mil do pai. É Rodrigo quem toca o hospital veterinário da família, fundado pelo pai de Onyx na década de 1950, em Porto Alegre.

Antes de entrar na política, o novo chefe da Casa Civil foi presidente, por seis anos, de um sindicato de veterinários em Porto Alegre, até 1990.

ISTO É ONYX LORENZONI

– Veterinário e empresário, se lançou na política no Rio Grande do Sul na década de 1990

– Foi deputado estadual de 1995 a 2002 -se elegeu primeiro pelo PL (atual PR)

– Eleito para a Câmara em 2002, se projetou no escândalo do mensalão, em CPI que tratou do caso

– Relatou o projeto que ficou conhecido como Medidas contra a Corrupção, em 2016

– Decidiu se aliar a Bolsonaro mesmo contra seu partido

– Em 2018, foi o segundo mais votado à Câmara no RS, com 183,5 mil votos. (Notícias ao Minuto)

Com informações da Folhapress

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »