Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Retaliação: “Houve angolanos que foram deportados para a RDC”, diz Mosaico

Assessora de direitos humanos da organização não governamental revela denúncias de violações de direitos humanos no Cuango

A organização não-governamental angolana de defesa dos direitos humanos Mosaico – Instituto para Cidadania denunciou o que considera ser “tratamento deplorável” das autoridades angolanas a “imigrantes alegadamente ilegais” da República Democrática do Congo (RDC), incluindo crianças e grávidas, no quadro da “Operação Transparência”.

Entretanto, na operação, além de congoleses, muitos angolanos foram deportados e há acusações de violações de mulheres e extorsão de pessoas por parte da polícia.

A assessora de direitos humanos do Mosaico, Djamila Ferreira, disse à VOA que a equipa da organização confirmou a deportação de angolanos que foram considerados congoleses, apenas através de um exame físico, tendo sido então deportados.

“Era uma exame simples, eles olhavam para a cor da pessoa, o corte de cabelo, falavam nas línguas nacionais e viam de que lado tinha a vacina, se fosse no braço esquerdo era angolana, se no antebraço do direito, era considerada congolesa e deportada”, explica Ferreira, denunciando que angolanos que “tinham documento, viram o documento retirado e foram deportadas”.

Djamila Ferreira afirmou que as pessoas eram colocados no comando da polícia num camião, onde passavam a noite debaixo de chuva e depois levadas parafronteira com o Congo e denuncia o facto de crianças terem sido retiradas das escolas.

“Eram levadas até um certo ponto e depois tinham de caminhar até a fronteira”, denunciou a assessora de direitos humanos do Moisaico.

Várias organizações, como o Alto Comissariado dos Direitos Humanos da ONU e activistas, denunciaram o que consideram violações de direitos humanos.

A agência da ONU revelou ter havido seis mortes, mas o Governo angolano refutou e disse que tudo foi feito na legalidade.

Luanda também disse que a maioria dos congoleses saíram de forma voluntária, o que é contestado por outras fontes.

Entretanto Djamila Ferreira confirma denúncias em Cuango a indicar que “mulheres terão sido violadas por polícias e que, devido à ausência de justiça na região, muitas pessoas ameaçadas de deportação foram extorquidas”.

A assessora de direitos humanos do Mosaico alerta que, “a confirmar tais denúncias”, o Governo de Angola está a violar a carta universal dos Direitos Humanos das Nações Unidos, a Carta Africana dos Direitos Humanos e o Protocolo de Maputo, entre outros acordo internacionais de que é signatário.

O relatório a ser preparado pelo Mosaico vai ser apresentado, depois de concluído, ao Governo angolano e outras entidades. (VOA)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »