Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Fez-se história ‘na tradição’: Bonga kwenda condecorado com medalha Bravura e do Mérito Cívico e Social, 1.ª Classe

Quarenta e seis anos dedicados à divulgação, valorização e defesa do país além-fronteiras, por meio da sua criação artística, valeram ao músico Barceló de Carvalho (Bonga) a Medalha de Bravura e do Mérito Cívico e Social, 1.ª Classe, outorgada no âmbito do 43º aniversário da independência nacional.

Dono de uma rica e vasta discografia, Bonga é dos poucos criadores angolanos que, ao longo da sua vida e carreira artística, mesmo com muitos altos e baixos pelo meio, tem dado o melhor de si em prol da angolanidade, usando como arma a voz e a música para levar aos quatro cantos do mundo o nome de Angola e dos angolanos.

Banido no país e exaltado no estrangeiro durante longos anos (tendo sido condecorado pelo governo francês, em 2014, com a insígnia de Cavaleiro na Ordem das Artes e Letras), Bonga, considerado por críticos como sendo o porta-bandeira do semba, ritmo de dança e música tipicamente angolano, recebe, do seu Governo, o devido reconhecimento nunca antes dado ao seu trabalho.

Reconhecido no mercado musical internacional como dono de um reportório artístico que eleva a cultura angolana ao mais alto patamar, Bonga recebe, pelas mãos do Presidente da República, João Lourenço, uma das mais altas condecorações atribuídas pelo Executivo a personalidades políticas, culturais, militares e socais, de um leque em que se destacam, ainda, Viriato Clemente Francisco da Cruz, a título póstumo, com a Ordem da Independência, 1.º Grau, e Liceu Vieira Dias (fundador do agrupamento N’gola Ritmos), também a título póstumo, com a Ordem do Mérito Civil, 1.º Grau.

Quem é Bonga

José Adelino Barceló de Carvalho nasceu em Quipiri, na província do Bengo, a norte de Luanda, em Angola. A família tratava-o carinhosamente por Zeca. A sua infância foi passada em bairros como os Coqueiros, Ingombota, Bairro Operário, Rangel e Marçal. Aí vive-se um ambiente intimista de preservação das músicas e tradições angolanas, marginalizadas pela dominação colonialista presente na época.

O folclore dos musseques (bairros pobres) cedo fascinou o pequeno Zeca e, por isso, começou a frequentar e a participar das turmas dos bairros típicos de Angola, onde iniciou a sua actividade musical.

Foi no bairro do Marçal onde fundou o grupo “Kissueia”. Bonga resolve criar o seu próprio estilo musical, afirmando a especificidade da cultura angolana, numa época muito conturbada.

Carreira musical

Em 1972, na Holanda, lança o seu primeiro álbum “Angola 72”, no qual canta a revolução e o amor à pátria. É por esta altura que Barceló de Carvalho passa a chamar-se Bonga Kuenda. Adopta um nome africano que significa “aquele que vê, aquele que está à frente e em constante movimento”.

Bonga actua pela primeira vez nos Estados Unidos, em 1973, aquando da celebração da independência da Guiné-Bissau, integrado num espectáculo de homenagem à cultura lusófona.

Em Abril de 1974 lança “Angola 74”. Nos anos, 80 torna-se no primeiro artista africano a actuar a solo, dois dias consecutivos no Coliseu dos Recreios (Lisboa), símbolo da música portuguesa, é o primeiro africano “Disco de Ouro” e de “Platina”, em Portugal.

O seu sucesso estende-se para lá das fronteiras lusófonas e Bonga actua no Apolo, em Harlem, no S.O.B. de Nova Iorque; no Olympia de Paris, na Suíça, no Canadá, nas Antilhas e em Macau.

O seu sucesso é resultado de um trabalho árduo, intensivo e metódico e de uma imaginação criativa que caracteriza toda a sua carreira.

A marca Bonga

Bonga cria uma fusão entre a sua pessoa e a música de Angola, tornando-as indissociáveis e tendo como maior estandarte o semba, um ritmo tradicional angolano correspondente ao samba brasileiro, mas precursor deste.

Também interpretou géneros musicais cabo-verdianos, sendo responsável pela roupagem da coladeira “Sodade” para uma morna, 18 anos antes de Cesária Évora a tornar mundialmente famosa.

Prémios

Bonga recebeu inúmeros prémios de popularidade e homenagens relativamente à sua obra, em que conta com distinções várias, medalhas e discos de ouro e de platina.

Tem manifestado inúmeras vezes a sua solidariedade e altruísmo, dando concertos de beneficência para instituições como a MRAR, a Amnistia Internacional, FAO, ONU e UNICEF.

Para além disso, tem participado em CDs como “Em Português Vos Amamos” dedicado a Timor, “Paz em Angola” ou ainda “Todos Diferentes, Todos Iguais”, um marco na luta contra o racismo.

Tem mais de 300 composições da sua autoria, 32 álbuns, seis video-clips, sete bandas sonoras de filmes, e álbuns com inúmeras reedições em todo mundo.

Os seus temas têm sido interpretados por ilustres artistas como, no Brasil, Martinho da Vila, Alcione e Elsa Soares, em França, Mimi Lorca, na República Democrática do Congo, Bovic Bondo Gala, no Uruguai, Heltor Numa de Morais, e muitos artistas angolanos da nova vaga. (Angop)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »