Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Maior ponte suspensa de África vai ser inaugurada no sábado em Maputo

Entre Maputo e Katembe ergue-se a maior ponte suspensa de África, a infraestrutura estatal mais cara depois da independência de Moçambique e com um percurso que, em cerca de cinco minutos de automóvel, acaba com o pesadelo da travessia por barco.

A obra a inaugurar no sábado serve também com forma de afirmação do investimento chinês no país, que a financiou e construiu – um empreendimento “chave na mão”.

Com um vão de 700 metros e duas rampas com pouco mais de dois quilómetros cada, a ponte Maputo-Katembe foi feita para permitir a ligação por terra entre as duas margens da baía da capital moçambicana, a norte e a sul.

A entrada em funcionamento do empreendimento une por estrada o sul, centro e norte de Moçambique, fazendo jus à famosa palavra de ordem “do Rovuma ao Maputo”, oficialmente usada para reafirmar a demarcação e a indivisibilidade do território nacional, através dos seus extremos norte e sul.

Para a realidade das infraestruturas de Moçambique os números envolvidos na construção da ponte Maputo-Katembe são avassaladores.

Foram aplicados na estrutura de travessia 75 toneladas de aço e 300 mil metros cúbicos de betão.

A construção envolveu 3.800 operários locais e 450 trabalhadores chineses, bem como 50 engenheiros e consultores de países como Alemanha, Inglaterra, Rússia e Grécia.

O projeto da ponte passou igualmente pela construção de 180 quilómetros de estrada ligando a Katembe à Ponta de Ouro, a cerca de 100 quilómetros, na fronteira com a África do Sul.

A rodovia reduziu para metade o tempo percorrido entre a capital do país e a zona onde se situa a Reserva Especial de Maputo e que acolhe estâncias balneares com grande potencial para o turismo.

A ponte poderá igualmente dar “asas” ao sonho de uma expansão ordenada da já congestionada capital moçambicana, uma vez que o ganho de tempo e de segurança na travessia poderá atrair o desenvolvimento do setor imobiliário na margem sul da baía de Maputo.

Para responder a esse objetivo e com o advento da ponte, o governo do município de Maputo aprovou em 2015 o Plano Geral de Urbanização do Distrito Municipal de Katembe.

O plano prevê duas áreas de grande densidade populacional, com mais de 500 habitantes por hectare, uma grande zona ecológica, que abrange mangais e áreas verdes, zonas agrícolas e áreas de proteção e conservação da natureza.

O financiamento de 785 milhões de dólares (cerca de 687 milhões de euros) que a China aplicou para a construção da ponte confirma o papel central do gigante asiático como o maior financiador de infraestruturas em Moçambique após a independência, no seguimento de outros empreendimentos de grande envergadura no país africano.

Com dinheiro chinês, o país passou a contar com novas sedes da Assembleia da República, Procuradoria-Geral da República, Tribunal Administrativo, ministérios, Estádio Nacional do Zimpeto, entre outros empreendimentos. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »