Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Fórum de Paris para a Paz arranca domingo com 60 chefes de Estado

O Fórum de Paris para a Paz arranca domingo e conclui as celebrações do fim da I Guerra Mundial, com 60 chefes de Estado e 30 organizações internacionais a discutir ideias para a segurança global.

“As tensões internacionais aumentam num momento em que as soluções para os desafios globais são urgentes”, diz a organização do Fórum de Paris para a Paz, que decorre em Paris, de domingo a terça-feira, a culminar as cerimónias que assinalam o centenário do fim da I Guerra Mundial.

Quando um dos mais conhecidos violoncelistas do mundo, Yo-Yo Ma, falar sobre a sua visão para atingir uma paz duradoura, na noite do último dia de trabalhos, a audiência deste Fórum terá já podido escolhido participar entre mais de 80 debates e mais de 130 apresentações, de 200 oradores e 350 líderes de projetos.

Nessa audiência, estarão cerca de 60 chefes de Estado e representantes de 30 organizações internacionais, oriundos dos 105 países que foram convidados para estudar soluções de governação global, através do reforço do multilateralismo e da cooperação internacional.

O Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, será um dos chefes de Estado presentes nestas sessões que a organização do Fórum promete induzir a interação entre oradores e participantes, sem nunca perder de vista o foco principal: encontrar iniciativas concretas para os desafios atuais da globalização.

Nos corredores, como sempre acontece nestes fóruns, os chefes de Estado aproveitarão para encontros bilaterais, embora o Presidente dos EUA, Donald Trump, e o Presidente da Rússia, Vladimir Putin, já tenham anunciado que não têm agenda para falar a sós, sobre uma pesada agenda que liga e divide os dois países.

No arranque dos trabalhos, no início da tarde de domingo, o palco fica para o anfitrião, o Presidente francês, Emmanuel Macron, que antecede os discursos da chanceler alemã, Angela Merkel, e do secretário-geral da ONU, António Guterres.

O primeiro dia reserva-se para um tema que tem estado na agenda de Guterres e da ONU: as questões de diálogo dos continentes sobre a governação global, antes de o assunto ser alvo de multiplicação em discussões setoriais e ‘workshops’ especializados, nos dias seguintes.

As organizações internacionais presentes terão tempo e ouvidos particularmente para os projetos que ali serão lançados.

Os projetos vão desde uma iniciativa não-lucrativa sedeada nas Seichelles dedicada à conservação das tartarugas Aldraba, até uma plataforma de negócio para crescimento inclusivo, em parceria com empresas e governos, passando por uma ideia de agregar assinaturas de responsáveis governamentais num documento com um título longo – Declaração sobre o Papel do Estado para as Questões de Pessoas Desaparecidas na Sequência de Conflitos Armados e Abuso de Direitos Humanos.

Os desafios de segurança na área digital têm espaço próprio no Fórum de Paris para a Paz, com várias discussões orientadas para o entendimento da Inteligência Artificial, a manutenção da paz no ciberespaço ou as novas práticas na era digital da velha arte da diplomacia.

O Fórum tem o alto patrocínio de Emmanuel Macron, mas é desenvolvido por uma organização não-governamental criada este ano por um grupo de fundações a que se associa o governo francês, através do Ministério para a Europa e dos Negócios Estrangeiros. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »