Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Antigos guerrilheiros lembram sacrifícios

Antigos guerrilheiros na Lunda-Sul lembraram ontem os sacrifícios consentidos para o alcance da Independência Nacional, proclamada a 11 de Novembro de 1975.

O antigo guerrilheiro Avelino Fernando Mussulumbi, companheiro de armas dos malogrados generais João Baptista de Matos e BernardoTxizaínga, lembra, com orgulho, o risco de vida que correu em várias batalhas, como preço para resgatar os angolanos do que considerou “garras mortíferas” dos colonizadores.

A proclamação da Independência, em 1975, disse, foi um momento ímpar na história do país, “cujos filhos foram resilientes nas amarguras marcadas por trabalhos forçados, com uma remuneração insignificante, opressão e outras sevícias” impostas pelo regime colonial. Actualmente reformado, Avelino Fernando Mussulumbi defende a passagem do legado às novas gerações, a fim de perpetuarem os valores nobres da história do país.

Para o decano da Escola Superior Politécnica da Lunda-Sul, afecta à Universidade Lueji a N´konde, Fidel Manassa, o 11 de Novembro nunca passou despercebido aos angolanos.

O significado da data, acrescentou, remete para a academia o dever de partilhar conhecimentos à volta da História e dos desafios do país, que avança com ganhos notáveis na formação de quadros em todas as áreas. O professor Delfim Utxica, que nasceu depois da proclamação da Independência, guarda na memória os subsídios colhidos dos mais velhos sobre a importância da data na vida de todos os angolanos.

Com a conquista da Independência, disse, o povo angolano vive orgulhoso e aposta no trabalho para promover o seu bem-estar.

Delfim Utxica, que é licenciado em Pedagogia, ressaltou, dos ganhos do país, a estratégia de expansão do ensino superior em todas as províncias, o acesso às novas tecnologias de informação e comunicação e os transportes.
O padre Avelino Frederico lembrou que a liberdade que os angolanos desfrutam custou o sangue de muitos compatriotas. O país em paz e com uma democracia em consolidação, salientou, regista um crescimento na reconstrução de infra-estruturas.

O religioso defendeu rigor na formação dos cidadãos, “espírito de partilha e solidariedade com os mais necessitados para se afastar o sentimento de discriminação”. (Jornal de Angola)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »