Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Exploração do Greater Sunrise pode custar 2,5 mil milhões a Timor-Leste — Xanana Gusmão

A participação de Timor-Leste no consórcio do Greater Sunrise pode representar um custo de 2,5 mil milhões de dólares para os cofres timorenses na fase de ‘upstream’ (exploração) do projeto, disse hoje o representante para o Mar de Timor.

Segundo Xanana Gusmão, este valor soma-se aos 350 milhões de dólares para a compra da participação de 30% à petrolífera ConocoPhillips – acordada em setembro e a concretizar até 31 de março de 2019 – e a um valor de até cinco mil milhões para a fase de ‘downstream’, disse hoje à Lusa.

Em projetos petrolíferos, o ‘upstream’ abrange as atividades de exploração, perfuração e produção e o ‘downstream’ as atividades de transporte, distribuição e comercialização.

O negociador principal de Timor-Leste para as questões das fronteiras e dos recursos do Mar de Timor disse que nem todo esse valor terá que sair dos cofres timorenses, explicando que está “à procura de parceiros”, particularmente na região, que queiram investir.

Xanana Gusmão falava à Lusa depois de participar, durante quatro horas, numa audição pública à porta fechada realizada pelas comissões C e D do parlamento timorense que estão a considerar uma alteração legislativa para permitir a Timor-Leste concretizar a compra da participação da ConocoPhilips.

Questionado sobre se o investimento na compra da participação será a única despesa associada ao projeto de Greater Sunrise em 2019, Xanana Gusmão não foi muito claro, notando apenas que as contas apontam que o custo para Timor-Leste, na fase ‘upstream’ do projeto, será de 2,5 mil milhões de dólares.

“No nosso caso, há um cálculo por alto de que os 30% equivalem a 2,5 mil milhões no projeto ‘upstream’, entre o momento da aprovação [do modelo de exploração] até à exploração”, explicou.

Em causa está o custo que representará para Timor-Leste, o investimento necessário para o desenvolvimento dos campos Sunrise no Mar de Timor, tendo ainda de se somar o custo da construção do gasoduto até à costa sul e toda a infraestruturas em terra.

Essas obras inserem-se no “Tasi Mane”, um projeto de desenvolvimento de toda a costa sul do país que inclui a construção da Base de Apoio de Suai – zonas logísticas, residenciais e industriais -, a refinaria de Betano, uma unidade de processamento de Gás Natural Liquefeito (GNL), um porto e o gasoduto até ao Greater Sunrise.

O consórcio do Greater Sunrise é liderado pela australiana Woodside, a operadora (com 34,5% do capital), e inclui a ConocoPhillips (30%), a Shell (28,5%) e a Osaka Gas (10%).

A participação da ConocoPhillips passará a ser detida, quando se concretizar o negócio, pela petrolífera timorense Timor Gap.

As restantes parceiras do consórcio tinham-se oposto à opção do gasoduto para Timor-Leste, mas nunca carta enviada a Xanana Gusmão na segunda-feira, consultada pela Lusa, o diretor executivo da Woodside, Peter Coleman, mostra-se aberto a apoiar a preferência de Timor-Leste para a construção de um gasoduto para o sul do país, ainda que participando “como fornecedor de serviços”.

A petrolífera diz que continua empenhada “no desenvolvimento dos recursos do Greater Sunrise para benefício de todas as partes” e “entende a preferência de Timor-Leste pelo desenvolvimento através de um gasoduto para a costa sul de Timor-Leste”.

“A Woodside está disponível para apoiar a preferência de Timor-Leste para o desenvolvimento, como investidor e operador no ‘upstream’. De momento, o gasoduto ‘downstream’ e a unidade de processamento não cumprem os passos internos de investimento da Woodside”, explica.

“Apesar de não ser investidor no gasoduto e unidade, a Woodside pode considerar um potencial modelo operacional para, como fornecedora de serviços, apoiar as operações”, refere.

O calendário para a concretização do projeto demora ainda vários anos, e começa pela conclusão das negociações de acordos de transição para a gestão de todos os recursos que estão atualmente a ser explorados no Mar de Timor, com a jurisdição – e as receitas – até agora partilhadas entre Timor-Leste e a Austrália a passar exclusivamente para Timor-Leste, no âmbito do novo tratado de fronteiras marítimas.

“São questões menores que estão agora mesmo a ser resolvidas”, disse Xanana Gusmão.

Xanana Gusmão explicou que o plano de desenvolvimento deverá ser aprovado até ao primeiro trimestre de 2021, submetido aos reguladores, podendo a construção começar no final desse ano e estar concluída no último trimestre de 2025.

Timor-Leste começaria a produzir gás, e a gerar receitas, a partir de 2026. (Sapo 24)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »