Smiley face

Estudo indica que excisões e mutilações sexuais estão a diminuir em África

0 27

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

As excisões e mutilações genitais, ainda largamente praticadas em África, reduziram-se “significativamente” entre as raparigas até aos 14 anos graças às campanhas de sensibilização, apesar das disparidades entre países, segundo Estudo indica que excisões e mutilações sexuais estão a diminuir em África

O estudo, feito a partir de dados da Unicef, fala de uma redução “encorajante” das práticas de mutilação genital no leste de África (-7,3% por ano entre 1995 e 2014).

No entanto, o ritmo de declínio destas práticas é mais lento no norte de África (-4,4% por ano entre 1990 e 2015) bem como no oeste do continente (-3% por ano entre 1996 e 2017).

Já no Médio Oriente, estas práticas aumentaram (+13,7% entre 1997 e 2013, sobretudo tendo em conta dados de dois países – Iraque e Iémen.

Segundo as estimativas da Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), 200 milhões de crianças no mundo foram sujeitas às mutilações sexuais.

Os números disponíveis mostram que estas práticas são particularmente preocupantes em África e nos países do Médio Oriente, destacando-se Iraque e Iémen.

O estudo indica também a existência destas práticas na Índia, Indonésia, Israel, Malásia, Tailândia e Emirados Árabes Unidos. Os efeitos das migrações neste tipo de práticas em regiões como Europa e América do Norte e do Sul não foram abrangidos.

Por ano, mais de três milhões de raparigas por ano em África correm o risco de serem sujeitas à mutilação genital. (Sapo 24)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Translate »