Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Do contrabando à pirataria: como funciona o mercado negro do petróleo

O mercado ilegal global de petróleo, que inclui sua extracção ilegal, roubo de combustível, pirataria e vendas paralelas – é estimado em US$ 133 biliões por ano (R$ 495 biliões).

Os cartéis de drogas e vários tipos de grupos paramilitares ilegais são os principais causadores do problema.

O mercado de petróleo é um dos mais lucrativos do mundo, atingindo um facturação anual aproximado de US$ 500 biliões, o que é muito mais do que a capitalização, por exemplo, da petrolífera British Petroleum, avaliada em US$ 111 biliões. A isso se junta o mercado ilegal, mais US$ 133 biliões.

O sistema de produção petrolífera ilegal é praticamente igual à estrutura da indústria oficial, tendo as mesmas etapas de produção, transporte, processamento e venda.

A produção legal é liderada pela Arábia Saudita, Estados Unidos e Rússia, enquanto as indústrias informais têm maior expressão no México, Nigéria e Iraque.

A extracção ilegal é o processo que mais difere do oficial, onde a extracção é feita directamente em jazidas petrolíferas, enquanto o México, por exemplo, “extrai” o combustível de oleodutos.

O contrabando através dessa “extracção”, ou seja, de desvio, permite em apenas dez minutos um lucro de US$ 100 mil.

Não é de surpreender que a estatal Petróleos Mexicanos (Pemex), frequentemente denuncie novos roubos, pois os desvios nos oleodutos são “um negócio de biliões de pesos, praticado por profissionais e amadores em todos os lugares onde os dutos da Pemex operam”. Além disso, tal operação exige especialistas altamente qualificados e equipamentos caros, por isso, os ricos cartéis de drogas mexicanos são os principais investidores dessa actividade criminal.

No total, aproximadamente 23.500 barris, estimados em mais de meio milhão de dólares, são vazados diariamente através de válvulas de drenagem instaladas ilegalmente nos oleodutos mexicanos.

No México, também são muito comuns ataques a camiões de combustível, sendo mensalmente registados cerca de doze roubos deste tipo no país.

A posição dominante no sector mexicano de petróleo ilegal é ocupada pelo cartel de drogas Los Zetas, organizado no final dos anos 90 por ex-militares das Forças Especiais do México. Este cartel controla cerca de 40% do mercado ilegal de combustíveis do país, facturando mais de US$ 400 milhões por ano.

Já o cartel de drogas Jalisco New Generation é responsável por cerca de 22% do mercado negro de petróleo, com um facturação de mais de US$ 210 milhões por ano. No final de Outubro, o governo dos EUA anunciou uma recompensa recorde de dez milhões de dólares por informações sobre o líder desse cartel, Nemesio Cervantes, apelidado de El Mencho.

El Mencho busca expandir o negócio ilegal aumentando o contrabando do ouro negro, principalmente na estratégica cidade mexicana de Tijuana, na fronteira com os EUA, onde se iniciou uma guerra entre cartéis pelo controle de seu mercado. Os americanos acreditam que a prisão de Cervantes poderia acabar ou reduzir o número de vítimas.

Enquanto isso, na África…

Como os separatistas estão activos nas áreas de produção de petróleo da Nigéria, toda a infraestrutura da indústria — das plataformas de perfuração a oleodutos e tanques de petróleo — é regularmente atacada por grupos armados.

Os nigerianos também praticam desvios em oleodutos, mas, ao contrário dos cartéis de drogas mexicanos, eles não podem pagar a especialistas qualificados e comprar equipamentos caros. Por isso, eles geralmente acabam subornando o operador do duto. Às vezes, eles explodem o oleoduto, resultando na interrupção de seu transporte e, dessa maneira, é possível cortar a válvula de drenagem em algum lugar longe do local da explosão e “extrair” facilmente.

Além disso, os contrabandistas nigerianos se envolvem deliberadamente na pirataria, atacando petroleiros no Golfo da Guiné, mantendo a tripulação presa enquanto descarregam o petróleo para embarcações mais pequenas que fazem chegar aos países vizinhos.

Já os curdos iraquianos, sem o conhecimento de Bagdad, extraem petróleo em suas terras usando métodos tradicionais e contrabandeando-o para a Turquia, ocupando dessa forma a terceira posição do mundo em termos de volume de operações ilegais com o ouro negro. (Sputnik)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »