Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Provedor de Justiça explica funcionamento

O provedor de Justiça, Carlos Ferreira Pinto, orienta hoje e amanhã, no Luena, sessões de esclarecimento sobre o mandato e a função da instituição.

A Provedoria de Justiça, em comunicado, informou que Carlos Ferreira Pinto visita ainda o estabelecimento penitenciário local. O provedor de Justiça reserva ainda no seu programa uma audiência aos cidadãos.
Depois do Moxico, o provedor de Justiça desloca-se à província de Malanje para cumprir o mesmo programa.
Na semana passada, Carlos Ferreira Pinto revelou, durante a visita que efectuou ao Bengo, que os serviços da Provedoria estavam instalados em apenas cinco províncias, por falta de recursos financeiros.

Ainda assim, o provedor de Justiça disse que a instituição recebe solicitações de todas as províncias.
O provedor de Justiça é uma entidade pública, independente, que tem como objecto a defesa dos direitos, liberdades e garantias dos cidadãos, para assegurar, através de meios informais, a justiça e a legalidade da actividade da Administração Pública.

Os cidadãos podem apresentar as suas queixas e reclamações ao provedor de Justiça por escrito, ao guiché, email, fax, portal ou verbalmente, de forma presencial ou por telefone, que depois são transformadas em autos e remetidas ao provedor ou à provedora adjunta, em caso de ausência do provedor. O provedor também concede audiências às segundas, terças e quartas-feiras e a provedora adjunta às quintas e sextas-feiras.

O provedor de Justiça faz recomendações à entidade visada, que deve informar o provedor como está a executar as recomendações.

Segundo o relatório remetido à Assembleia Nacional, em 2017, a provedor de Justiça recebeu 301 queixas a nível de todo o país. Destas queixas, 65 estão relacionadas com a administração da justiça e direitos fundamentais, 53 ligadas a conflitos laborais, 26 aos direitos fundiários, 18 à segurança social e oito a de-salojamentos e demolições. Quanto aos queixosos, 213 foram homens, 56 mulheres e 32 pessoas colectivas. Em 2013 foram registadas 593 queixas, 612 em 2014, 460 em 2015 e 368 em 2016. (Jornal de Angola)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »