Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Encaminhado para julgamento recurso para anulação da condenação de Lula

O juiz Edson Fachin encaminhou hoje para julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) o pedido de anulação da sentença e de liberação imediata do ex-Presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva.

O recurso baseia-se na alegação de que a condenação de Lula da Silva por corrupção e branqueamento de capitais num processo sobre a propriedade de um apartamento de luxo na cidade de Guarujá, no litoral, emitida pelo juiz Sérgio Moro em 2017, quando o mesmo era responsável pela investigação da Operação Lava Jato, não foi imparcial.

Os advogados alegam que Moro tinha interesses políticos ao condenar o antigo chefe de Estado brasileiro, facto supostamente comprovado quando o mesmo juiz aceitou o convite para ser ministro da Justiça no Governo do futuro Presidente Jair Bolsonaro.

“Segundo recentes revelações, já públicas e notórias, [o juiz Sérgio Moro] mantinha contacto com a alta cúpula da campanha do Presidente eleito [Bolsonaro] que, por seu turno, manifestou desejo de que o Paciente [Lula da Silva] venha a ‘apodrecer na cadeia'”, disseram os advogados no recurso.

A defesa também alega que houve intervenção de Moro contra Lula da Silva com a consequente “repercussão no processo eleitoral [do Brasil] de 2018”.

Embora tenha sido condenado em primeira instância por Moro em 2017, o ex-presidente brasileiro só foi preso quando a sua condenação foi confirmada num julgamento do Tribunal Regional Federal da Quarta Região (TRF-4).

Ao encaminhar o processo para julgamento, o juiz Edson Fachin deu um prazo de cinco dias para que o Superior Tribunal de Justiça (STJ), o TRF-4 e a 13.ª Vara da Justiça Federal no Paraná, tribunal de primeira instância, prestem esclarecimentos a respeito da tese da defesa do ex-Presidente.

Depois de os tribunais prestarem os esclarecimentos solicitados, a Procuradoria-Geral da República (PGR) terá mais cinco dias para se manifestar.

Após estes prazos, o recurso deverá ser julgado pela segunda turma do STF, que é composta por Edson Fachin e pelos juízes Ricardo Lewandowski, Celso de Mello, Gilmar Mendes e Cármen Lúcia. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »