Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Dois mil migrantes morreram este ano no Mediterrâneo

Cerca de dois mil refugiados e migrantes morreram no mediterrâneo desde o início do ano, anunciou hoje a Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), considerando que a situação se está a agravar.

Um total de 150.000 requerentes de asilo e migrantes conseguiram chegar à Europa desde o início do ano, o que indica que o nível atual é semelhante aos registados antes de 2014, quando começou a grande crise de refugiados na Europa, mas o número de mortes na travessia está a aumentar.

“Durante muitos anos, o Mediterrâneo tem sido a rota marítima com maior mortalidade para refugiados e migrantes no mundo e não podemos aceitar isso”, disse o porta voz da ACNUR Charlie Yaxley, numa conferência de Imprensa, hoje, nas instalações da ONU.

A ACNUR considera que as duas mil mortes revelam que a taxa de mortalidade aumentou fortemente, particularmente no Mediterrâneo central (entre a costa do norte da África e a Itália), onde metade das mortes foram registadas.

“Em setembro, um em cada oito migrantes que cruzaram o Mediterrâneo morreu, em grande parte devido à redução nas operações de busca e salvamento”, explicou Yaxley.

Algumas organizações não-governamentais (ONG) com fins humanitários tiveram de interromper essas operações devido a restrições logísticas e legais, razão pela qual as tarefas de busca e salvamento das vítimas de naufrágios diminuíram significativamente.

“Se as operações de resgate das ONGs cessarem completamente, corremos o risco de regressar à mesma situação perigosa que vimos na Itália depois de a operação naval Mare Nostrum terminar, em 2015, e centenas de pessoas terem morrido num único incidente perto da costa de Lampedusa”, disse o porta-voz da ACNUR.

Ainda hoje, as autoridades espanholas revelaram a morte de 17 migrantes que na segunda-feira tentaram desembarcar nas costas do país a bordo de pequenas embarcações, havendo ainda cerca de vinte desaparecidos.

Segundo a Guarda Civil espanhola (equivalente à GNR em Portugal), uma centena de outros migrantes foram salvos a tentarem chegar a Espanha.

Treze pessoas morreram perto de Melila, um enclave espanhol no norte de África, e quatro outros corpos foram encontrados na zona de Cádis, no sudoeste da Espanha, enquanto equipas de salvamento marítimo ainda estão à procura de 17 a vinte pessoas. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »