Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Anúncio “racista”. CNN, NBC e Fox recusam emitir vídeo de campanha de Trump

Anúncio do Partido Republicano relaciona um perigoso assassino com a caravana de migrantes da América Central que tenta chegar à fronteira do México com os EUA. Televisões americanas e o Facebook recusam transmiti-lo.

As cadeias de televisão CNN e NBC e até a conservadora Fox News recusaram transmitir o anúncio de campanha do Partido Republicano alegando que tem um conteúdo racista ao referir-se à caravana de migrantes que há semanas tenta chegar à fronteira americana. O Facebook também anunciou que tinha retirado o vídeo.

O anúncio em vídeo, criado pela equipa de campanha de Trump para as eleições intercalares que se realizam esta terça-feira nos Estados Unidos, vincula um conhecido criminoso sem visto para residir nos EUA à caravana de cerca de seis mil migrantes. E culpa os democratas por terem permitido que o homem entrasse no país.

Trata-se de Luis Bracamontes, mexicano condenado à morte em abril passado pelo assassinato de dois polícias em Sacramento (Califórnia), em 2014. “Os democratas deixaram-no entrar no nosso país” é uma das frases que surge no vídeo de campanha, a par de outras como “os democratas deixaram-no ficar”.

Ao mesmo tempo, o anúncio mostra imagens da caravana de centro-americanos que se dirigem à fronteira do México com os EUA. “Os delinquentes ilegais perigosos como o assassino de polícias Luis Bracamontes não se preocupam com as nossas leis”, destaca a publicidade, embora não seja conhecida qualquer relação do criminoso com a coluna de migrantes,

Trump tem anúncio no Twitter
Trump publicou no Twitter uma parte do anúncio, mostrando Bracamontes a dizer que mataria mais polícias, bem como os migrantes a tentarem forçar um portão. O tweet do presidente americano tem mais de 6,5 milhões de visualizações e 96 mil gostos.

Questionado pelos jornalistas sobre a polémica, Trump disse que não sabia do que se tratava e acrescentou que a sua equipa de campanha fez muitos anúncios “que foram eficazes conforme demonstram os números que estamos a ver”. Perante a insistência, afirmou ainda que “muitas coisas são ofensivas” e aproveitou para criticar a imprensa, “o inimigo do povo”.

Em comunicado, o Facebook anunciou a retirada do anúncio e explicou que, embora o vídeo possa continuar a ser partilhado pelos utilizadores, a rede social não permitirá que se pague pela difusão, como ocorreu até agora.

A imprensa norte-americana estimou que os republicanos gastaram entre 28 000 e 100 000 de dólares para promover o anúncio no Facebook, que teve entre 2,8 e 5 milhões de visualizações na plataforma.

No domingo à noite também a NBC difundiu a publicidade de campanha durante o espaço comercial do Sunday Night Football. Mas perante o número de críticas que se fizeram ouvir por parte dos telespectadores, acabou por retirá-lo. “Depois de uma análise adicional, reconhecemos a natureza insensível do anúncio e decidimos deixar de o emitir. A CNN recusou à partida a emitir o anúncio dos republicanos. (Diário de Notícias)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »