Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Merkel e aliados do SPD querem continuar a governar em coligação

A chanceler alemã, Angela Merkel, e o seu aliado Partido Social Democrata (SPD) manifestaram a intenção de manter a grande coligação de Governo, independentemente do processo iniciado no partido conservador para eleger uma nova liderança.

“Estamos firmemente convencidos de que devemos continuar a liderar o Governo federal sobre a base do atual pacto de coligação”, disse a chanceler e ainda líder da União Democrata-Cristã (CDU) ao fim de dois dias de reuniões da direção do seu partido.

Esta ideia é “partilhada por unanimidade” por todos os membros da direção, acrescentou Merkel, reiterando que tenciona concluir a atual legislatura como chanceler.

“Não vou repetir o que já disse na segunda-feira passada. Estou disposta e, para mim, disposição implica vontade”, afirmou, referindo-se ao seu anúncio, na semana passada, de que não se candidatará à reeleição como líder da CDU nem se apresentará a eleições legislativas quando acabar o atual mandato.

A líder do SPD, Andrea Nahles, explicou por seu lado que uma eventual rutura na coligação não se coloca neste momento.

“Não, agora não”, disse Nahles quando questionada sobre o assunto após as reuniões da direção do partido este fim de semana.

Qualquer decisão sobre os passos a seguir será estudada “a partir de dezembro” e em função “do que ocorra”, acrescentou a líder social-democrata, para quem o principal objetivo do partido é “cerrar fileiras” para as eleições europeias do próximo ano.

A direção da CDU quer convocar uma série de conferências regionais em que os candidatos a suceder a Merkel poderão apresentar-se aos militantes antes do congresso da CDU, a 07 e 08 de dezembro, em que será eleita a nova presidência.

Até agora, três candidatos já manifestaram a sua intenção de concorrer: o antigo líder do grupo conservador Friedrich Merz; o ministro da Saúde, Jens Spahn, e a secretária-geral, Annegret Kramp-Karrenbauer.

Merz e Spahn pertencem à ala mais conservadora do partido, o que poderá representar uma dificuldade para a manutenção da coligação com os sociais-democratas, enquanto Kramp-Karrenbauer é leal à linha de Merkel e representa a via da continuidade.

Os media alemães referem que há outros nove aspirantes a candidatos, que ainda não se pronunciaram publicamente desde o anúncio de Merkel. (Jornal de Notícias)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »