Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Luta entre eleitorado rural e urbano na Polónia

A segunda volta das eleições autárquicas e regionais na Polónia, do último domingo, confirmaram o que tinha já ditado o primeiro turno. O Partido Direito e Justiça conquistou nove das 16 regiões, mas volta a perder nas maiores cidades:

“Foi uma luta dura, a participação eleitoral foi maior e, na minha opinião, este resultado dependia disso mesmo”, refere Jacek Majchrowski, presidente da câmara de Cracóvia, eleito pela oposição polaca.

A coligação pró-europeia, liderada pelo partido Plataforma Cívica, controla as maiores cidades, entre elas Varsóvia:

“Estas eleições foram equilibradas. Mas foram os candidatos que fizeram as eleições e não os partidos”, adianta o analista político Jaroslaw Flis, da Universidade Jagiellonian.

Os eurocéticos, que governam o país desde 2015, tiveram maioria absoluta em seis das nove regiões que conquistaram mas os candidatos da oposição liberal mantêm o poder sobre as grandes cidades:

“Os partidos políticos são secundários. As pessoas preferem votar em candidatos que conhecem”, explica o candidato ao conselho municipal, Zbigniew Kozuch.

“Nestas eleições votou-se ou a favor ou contra. Eu votei a favor de uma determinada visão da Polónia”, refere um eleitor, Ireneusz Olchawski.

Divisão, entre os meios rurais e urbanos, mas ao mesmo tempo vontade de marcar posições foi o que se viu neste escrutínio:

“Tivemos uma participação eleitoral sem precedentes”, adianta Stanislaw Grudzien, presidente da comissão eleitoral de Cracóvia.

O partido no poder e a oposição vão bater-se agora pelo apoio dos partidos mais pequenos de forma a garantirem a supremacia nas assembleias locais:

“As autárquicas são um prelúdio para escolhas políticas mais importantes. No próximo ano os polacos escolhem um novo parlamento, daqui a dois anos um novo presidente. Eleições que determinarão o futuro do país”, explica o correspondente da euronews em Cracóvia, Leszek Kabłak. (Euronews)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »