Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Estado em condições de encerrar igrejas ilegais

O prazo dado às confissões religiosas que actuam ilegalmente em Angola para se legalizarem terminou ontem, recordou o director nacional dos Assuntos Religiosos (do Ministério da Cultura), Francisco de Castro Maria.

Citado pela Rádio Nacional de Angola, Francisco de Castro Maria lembrou que foi dado o prazo de 30 dias para as confissões religiosas regularizarem a situação e que findo o prazo passar-se-ia à aplicação das medidas previstas na lei.

O Ministério da Cultura tem registado 84 igrejas e 1.106 aguardavam reconhecimento legal. Recentemente, em declarações aos jornalistas Francisco de Castro Maria sublinhou que o número de igrejas ilegais no país pode chegar a quatro mil, na medida em que existem muitas fora do controlo do Executivo.

Na altura, Castro Maria afirmou que a Igreja Mundial está a trabalhar de forma ilegal, por fazer parte das confissões que actuavam sob respaldo das plataformas ecuménicas, concretamente pelo Conselho Nacional das Igrejas Cristãs de Angola (CONICA). O director nacional afirmou que mais de 50 por cento das igrejas implantadas no país são estrangeiras, provenientes da República Democrática do Congo, Brasil, Nigéria e Senegal.

Os requisitos para abrir uma confissão religiosa passa primeiro pelo alcance de cem mil assinaturas reconhecidas presencialmente no notário, em 12 províncias, por fiéis maiores de idade e uma declaração de bens dos líderes.
“Além do requerimento que a comissão instaladora da confissão religiosa deve emitir ao Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos, com documentos de certificação de admissão para evitar duplicidade de nomes.

Francisco de Castro Maria informou que desde o ano de 2000 não foi possível a legalização de mais igrejas, por culpa das confissões religiosas, que tiveram dificuldades em reunir cem mil assinaturas, devidamente reconhecidas pelo notário. (Jornal de Angola)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »