Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Conselho iraniano rejeita lei contra o financiamento do terrorismo

O Conselho dos Guardiões da Constituição do Irã rejeitou neste domingo o projecto de lei sobre o financiamento do terrorismo, um texto considerado vital para salvar o acordo nuclear com os parceiros internacionais de Teerão após a saída dos Estados Unidos.

Este projecto de lei, que visa permitir que o Irã cumpra os padrões internacionais e, assim, aderir à Convenção da ONU para a Supressão do Financiamento do Terrorismo, foi aprovado por 143 votos contra 120 em 7 de Outubro pelo Parlamento.

Foi então apresentado ao Conselho dos Guardiões que deve garantir a conformidade com as disposições da Constituição e do Islão

Dominado pelos conservadores, este Conselho afirmou que certos aspectos do projecto de lei eram contrários à lei islâmica e à constituição. Foi, portanto, encaminhado aos legisladores para alterações.

“O Conselho dos Guardiões revisou o projecto durante várias sessões (…) e identificou falhas e ambiguidades”, escreveu o porta-voz do Conselho, Abbas Ali Kadkhodaïe, no Twitter.

O projecto de lei contra o financiamento do terrorismo é um dos quatro textos apresentados pelas autoridades iranianas nos últimos meses para responder aos pedidos do Grupo de Acção Financeira (GAFI) e ser retirado da lista negra de países ou territórios não cooperativos. O Irão e a Coreia do Norte são os únicos dois Estados que ainda constam na lista.

O GAFI deu a Teerão até o final de Outubro para reforçar sua legislação contra a lavagem de dinheiro e o financiamento do “terrorismo” antes de conceder um tempo adicional até Fevereiro de 2019.

Um projecto de lei anterior, especificamente sobre os mecanismos de controle e prevenção do financiamento do “terrorismo”, já foi aprovado em Agosto pelo Conselho de Guardiões da Constituição.

Dois outros textos – sobre lavagem de dinheiro e crime organizado – também foram aprovados pelo Parlamento, mas a sua aprovação final continua sujeita à aprovação das mais altas autoridades. (Afp)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »