Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Governo português aceita que juízes ganhem mais que o primeiro-ministro

Perante a ameaça de greve, o Ministério da Justiça comunicou ontem à Associação Sindical que está disposto a melhorar estatuto remuneratório dos magistrados.

O Governo comunicou à Associação Sindical dos Juízes Portugueses, nesta sexta-feira, “que estava em condições de propor à Assembleia da República, na qual se encontra pendente de apreciação a proposta de lei de alteração do Estatuto dos Magistrados Judiciais, uma modificação do estatuto remuneratório” destes profissionais, que pode pô-los a ganhar mais do que o primeiro-ministro e evitar uma greve iminente.

A informação foi prestada ao JN por fonte oficial do Ministério da Justiça, na véspera de uma reunião da Assembleia-Geral da Associação Sindical dos Juízes Portugueses agendada (AG/ASJP) com o intuito de aprovar uma greve em formato de longo prazo. De resto, apurou o JN, a própria direção da ASJP, presidida por Manuel Soares, também só recebeu a mesma informação do ministério de Francisca Van Dunem ao final de tarde desta sexta-feira, o que pode lançar a confusão na AG que se realiza este sábado em Coimbra.

Ao longo do processo negocial da revisão do Estatuto dos Magistrados Judiciais, a ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, cedeu a várias reivindicações da ASJP, mas recusou sempre a mexer na parte remuneratória. E, na comunicação escrita que fez ontem à associação sindical, fica claro que esta mudança de posição de última hora acontece “por intervenção do senhor primeiro-ministro”, António Costa.

Englobamento do subsídio de compensação

Uma breve nota enviada ao JN pelo Ministério da Justiça diz que a sua proposta de modificação do estatuto remuneratório dos juízes poderá passar pela “eliminação do teto salarial” do primeiro-ministro e pelo “englobamento, na renumeração, do subsídio de compensação” recebido pelos juízes.

Atualmente, aquele subsídio de compensação tem um valor único de cerca de 800 euros, independentemente da categoria dos juízes, e não é tributado em sede de IRS. Com a sua integração na remuneração, o respetivo valor passaria a ser tributado, mas o Ministério da Justiça também admite, desde já, “a consagração de um regime transitório assegurando a neutralidade fiscal”.

“Esta proposta permite resolver o problema da reduzida diferenciação salarial entre os juízes da 1.ª instância e os Juízes dos Tribunais da Relação e entre estes e os Juízes do Supremo Tribunal de Justiça, causado pela existência de um teto salarial, que constitui o principal motivo de descontentamento da Associação Sindical dos Juízes Portugueses no tocante ao atual sistema remuneratório”, afirma o MJ.

Diferenças salariais entre juízes de direito

A informação disponibilizada não permite perceber como o é que fim do teto salarial do primeiro-ministro (um limite que está previsto em lei própria) e o englobamento do subsídio de compensação, por si só, aumentarão a diferenças salariais entre juízes de direito, desembargadores e conselheiros.

Mas o Ministério da Justiça pode ter em mente a atribuição de valores diferentes àquele subsídio, como chegou a propor a ASJP em outubro de 2017, num parecer sobre a proposta de lei de revisão do Estatuto, que, porém, não tinha a ambição de acabar com o teto salarial do primeiro-ministro.

A nota da tutela recebida pelo JN pelas 23.09 horas desta sexta-feira termina dizendo que “o Governo ainda não obteve uma resposta formal da Associação Sindical dos Juízes Portugueses sobre aquela proposta”.

A proposta de lei de revisão do Estatuto dos Magistrados Judiciais já foi aprovada na generalidade pela Assembleia da República, mas ainda não começou a ser apreciada na especialidade. (Jornal de Notícias)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »