Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Trump diz que militares não vão disparar sobre migrantes na fronteira

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, recuou hoje em relação a declarações anteriores, afirmando que, se os migrantes atirarem pedras aos militares ou guardas fronteiriços norte-americanos, não serão alvejados a tiro, mas “serão detidos por muito tempo”.

Trump disse na quinta-feira que tinha instruído os militares que iam ser destacados para a fronteira sul do país para dispararem sobre os migrantes se estes lhes atirassem pedras, reagindo como se as pedras fossem “espingardas”.

Mas hoje, o chefe de Estado disse, na Casa Branca, que os Estados Unidos não vão disparar sobre os migrantes e acrescentou esperar que não sejam disparados quaisquer tiros.

Por outro lado, observou que o que os migrantes que atiraram pedras à polícia e aos militares mexicanos fizeram foi “uma vergonha” e que os Estados Unidos “não vão admitir” que eles repitam a dose.

Para impedir que os migrantes centro-americanos que se deslocam em caravanas e se dirigem aos Estados Unidos para pedir asilo entrem no país, mais de 7.000 militares estarão posicionados “até ao fim do fim de semana” nos Estados norte-americanos fronteiriços com o México – Califórnia, Arizona e Texas -, indicou hoje o Comando Norte do Exército Norte-Americano (Northcom).

Este número corresponde ao que já tinha sido anunciado: o envio para a fronteira de 5.239 soldados, que ali se reunirão a 2.100 reservistas da Guarda Nacional já destacados há vários meses, precisou Michael Kucharek um porta-voz do Northcom.

É esse o comando militar que vai supervisionar a operação batizada como “Patriota Fiel”, destinada a deter as caravanas formadas por milhares de migrantes, na maioria hondurenhos aos quais pelo caminho se juntaram guatemaltecos, salvadorenhos e outros, a fugir à miséria e à violência.

Os reforços militares serão pré-posicionados nas principais bases militares dos três Estados referidos: a base aérea de Davis-Monthan (Arizona), as bases navais de San Diego (Califórnia) e Corpus Christi (Texas) e a base dos fuzileiros de Camp Pendleton, na Califórnia.

Mas o seu destacamento final “vai ainda ser determinado”, disse Kucharek.

Hoje, apenas uma centena de militares tinha chegado à localidade de McAllen, no Texas, um dos principais pontos de passagem entre os Estados Unidos e o México, segundo o porta-voz.

Um responsável do Pentágono que pediu o anonimato tinha dito antes que havia um milhar de soldados nessa cidade situada sobre o Rio Grande, que separa os dois países.

Eles serão encarregados de missões logísticas, como montar tendas para os soldados, referiu Kucharek, precisando que o exército norte-americano não recebeu qualquer pedido formal para instalar tendas para os migrantes, um projeto mencionado pelo Presidente, Donald Trump, nos seus discursos eleitorais.

O dispositivo de segurança da fronteira sul dos Estados Unidos estará, assim, completo a dois dias das eleições legislativas intercalares de 06 de novembro, em que está em jogo, para Trump, a manutenção da maioria republicana nas duas câmaras do Congresso, razão pela qual multiplicou o anúncio de medidas suscetíveis de captar o seu eleitorado, nomeadamente sobre o tema da imigração.

“É uma invasão”, insistiu na quinta-feira, ao anunciar que vai assinar na próxima semana um decreto sobre o assunto, afirmando que os migrantes detidos na fronteira serão colocados em campos formados por tendas e outras instalações até que sejam deportados ou vejam o seu pedido de asilo aprovado. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »