Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Parlamento moçambicano fixa 9.ª classe como escolaridade obrigatória no país

A Assembleia da República de Moçambique (AR) aprovou hoje, na generalidade e por consenso, a revisão da Lei do Sistema Nacional de Educação (SNE), que torna obrigatória e gratuita a escolaridade até à 9.ª classe.

Com a nova Lei do SNE, que ainda terá de ser aprovada na especialidade, a escolaridade obrigatória deixa de ser a 7.ª classe, como acontece atualmente.

O documento preconiza que o ensino primário em Moçambique é da 1.ª à 6.ª classe, retirando a 7.ª classe deste nível de ensino, que passa para o secundário.

As turmas da 6.ª classe deixam de ter um professor por cada disciplina e serão lecionadas por apenas um professor, tal como as restantes de todo o ensino primário.

O ensino secundário vai abranger dois ciclos, sendo o primeiro da 7.ª à 9.ª classe e o segundo da 10.ª a 12.ª classe.

A lei hoje aprovada na generalidade pela AR assinala que o ensino primário se realiza em duas modalidades: monolingue, em língua portuguesa, e bilingue, numa língua moçambicana e em língua portuguesa.

No documento é afirmada a gratuidade do ensino primário, que fica isento do pagamento de propinas.

O ingresso na 1.ª classe é apenas permitido a crianças que completam seis anos em junho, deixando de ser admitido a crianças que completam essa idade em 31 de dezembro.

A ministra da Educação e Desenvolvimento Humano de Moçambique, Conceita Sortane, disse que o país precisa de uma revisão do SNE, porque o atual está em vigor há 26 anos e mostra-se incapaz de acompanhar as transformações sociais, culturais, políticas e económicas registadas ao longo do tempo.

“Com a revisão, pretende-se reajustar o SNE ao contexto sociopolítico e económico atual, garantindo uma educação equitativa, inclusiva e sustentável para todos os cidadãos e que responda às exigências da sociedade moçambicana”, declarou Conceita Sortane.

A proposta de Lei do SNE foi aprovada por consenso pelas três bancadas da AR, nomeadamente Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), que tem a maioria parlamentar, Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), principal partido da oposição, e Movimento Democrático de Moçambique (MDM), terceiro maior partido. (Sapo 24)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »