Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Ministro Pedro Siza recebeu um milhão por ajustes diretos da Câmara de Lisboa

O escritório de Pedro Siza Vieira recebeu cerca de um milhão de euros em ajustes diretos da Câmara de Lisboa, no mandato de António Costa e de Fernando Medina, entre 2014 e 2017, por serviços de assessoria jurídica.

As quantias foram todas parceladas, em montantes que não exigem concurso público, mas destinaram-se a pagar a intervenção do amigo do primeiro-ministro em apenas dois processos. Um deles foi o caso da Feira Popular, pelo qual o município terá de pagar à Bragaparques quase 200 milhões de euros.

Segundo o portal de contratação estatal Base, quase 700 mil euros [com IVA] dos ajustes diretos destinados ao escritório de advogados Linklaters – do qual Siza era sócio e de onde se desvinculou quando entrou para o Governo, em outubro de 2017 – dizem respeito à assessoria no litígio entre a Câmara e a Bragaparques.

O primeiro contrato – no valor de 86,1 mil euros – remonta a 14 de novembro de 2014 e foi autorizado pela então vereadora Graça Fonseca, atual ministra da Cultura. Um mês depois, a câmara celebrou outro contrato, no valor de 80 mil euros, para o mesmo caso. Os restantes são já rubricados por Duarte Cordeiro, atual vice de Medina. Siza representa a Linklaters em todos eles.

O agora ministro recebeu ainda, em 2013 e 2014 (no mandato de Costa), quase 250 mil euros para apoiar juridicamente a Câmara de Lisboa no processo de extinção da EPUL – Empresa Pública de Urbanismo de Lisboa. Todos os contratos foram feitos à luz dos artigos 27.º e 20.º da Contratação Pública para justificar os ajustes diretos.

No Base é possível ainda perceber que Cristina Siza Vieira, mulher do ministro, recebeu 40 mil euros, com IVA, por assessoria ao gabinete do vereador do Urbanismo Manuel Salgado.

RECUSA FALAR DO PASSADO

O escritório de Pedro Siza Vieira recebeu cerca de um milhão de euros em ajustes diretos da Câmara de Lisboa, no mandato de António Costa e de Fernando Medina

Questionado pelo JN, o gabinete de Siza Vieira respondeu que “o ministro não faz comentários sobre situações relativas à sua anterior atividade”.

“Desde que assumiu funções governativas, tornou público que deixou de ser sócio da referida sociedade de advogados. As questões devem ser colocadas à sociedade e à Câmara Municipal de Lisboa”. A autarquia não respondeu às questões do JN.

Este caso foi revelado pelo líder da concelhia de Lisboa do PSD, Paulo Ribeiro. “Era importante que o ministro da Economia explicasse os contornos da contratação desta assessoria, que resultou numa condenação de muitos milhões de euros da Câmara de Lisboa”, disse.

Recorde-se que o ministro aguarda uma decisão do Constitucional sobre o facto de ter formado uma empresa imobiliária, antes de entrar para o Governo. (Jornal de Notícias)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »