Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Líder da CASA-CE pede estratégias para eleições autárquicas e gerais aos novos membros do Colégio Presidencial

O líder da Convergência Ampla de Salvação de Angola (CASA-CE) deu como prazo até dezembro para que os novos integrantes do seu colégio presidencial apresentem propostas para fazer face aos desafios das eleições autárquicas e gerais.

Abel Chivukuvuku discursava hoje na cerimónia de tomada de posse de oito membros do Colégio Presidencial da CASA-CE, do qual é presidente, com o objectivo da atribuição de responsabilidades directa e exclusivas.

Tomaram hoje posse Alexandre Sebastião André, líder do PADDA-AP, coordenador para Assuntos Institucionais e Jurídicos e Poder Local, Manuel Fernandes, líder do PALMA, coordenador para a Ação política e Revitalização da Coligação, Felé António, líder do PPA, coordenador para as Questões Patrimoniais e Simão Makazu, líder do PDP-ANA, coordenador para as Políticas Económicas e Financeiras.

O Colégio Presidencial é ainda integrado por Sikonda Lulendo Alexandre, líder do PSNA, coordenador para as Questões da Sociedade Civil e Religiosas, Justino Pinto de Andrade, líder do Bloco Democrático, coordenador para as Questões Eleitorais Gerais e Autárquicas, André Mendes de Carvalho “Miau”, coordenador para as Questões Parlamentares e Cesinanda de Kerlen Xavier, coordenadora para a Comunicação Social e Marketing.

Na sua intervenção, Abel Chivukuvuku disse que com este ato de atribuição direta e exclusivas fica dado o primeiro passo do ideal da refundação da CASA-CE, cujo processo aguarda por conclusão até final deste mês.

Segundo Abel Chivukuvuku, o processo de refundação da CASA-CE incluirá outros actos políticos e passos estruturais não menos importantes, assim como a conclusão do processo no Tribunal Constitucional.

O dirigente máximo da segunda maior força política da oposição angolana frisou que o contexto político de Angola, a médio prazo, estabelece marcos chave, nomeadamente as eleições autárquicas de 2020 e as eleições gerais de 2022.

“Estes serão os desafios para os quais a CASA-CE deve preparar-se e fazem parte das vossas incumbências directas e concretas. Estamos nas vésperas do fim de ano de 2018 e por isso exorto os recém-empossados a produzirem, nos próximos tempos, a vossa visão de projecções estratégicas e ações concretas para cada um dos vossos pelouros, por formas a iniciar o ano de 2019 com ideias claras e um programa exequível”, apelou.

Para cada área, Abel Chivukuvuku pediu que, antes de dezembro, “produza a sua visão e perspectiva estratégica e ações concretas que pretende desenvolver em 2019”.

Em declarações à imprensa, o líder da coligação angolana disse que a instituição do colégio deverá acontecer apenas depois da conclusão do processo judicial no Tribunal Constitucional, que espera venha a terminar o mais tardar no dia 25, quando terminam os prazos.

“O que demos foi o primeiro passo para a atribuição de responsabilidades acrescidas aos líderes partidários, no âmbito da refundação, que envolve três dimensões”, disse o político, explicando que a primeira foi a realizada hoje – a atribuição de maior responsabilidade aos líderes partidários.

A segunda dimensão, avançou que tem a ver com a revisão institucional e a terceira com o reajustamento de normas, para a alteração, aumento ou diminuição de algumas, permitindo que a CASA-CE volte a ter “vida, harmonia e entendimento”.

Em causa está a pretensão de Abel Chivukuvuku em criar dois partidos políticos – Podemos Juntos por Angola (Podemos JA) e Desenvolvimento Inclusivo de Angola (DIA), cujos processos remeteu ao Tribunal Constitucional, que considerou a pretensão “ilegal”.

Abel Chivukuvuku não descartou a inclusão de novos partidos na coligação com o processo de refundação, que tem apenas como conceito “dar uma nova natureza, mas com os mesmos actores, entendendo que os independentes são a parte motriz da CASA-CE e os partidos são a parte legal da CASA-CE”.

“É preciso encontrar um ‘modus vivendi’ entre estas duas dimensões. O mais importante é que os angolanos tenham confiança, pelo menos eu, Abel Chivukuvuku, estarei presente na luta pelos angolanos, é a minha causa”, sublinhou.

A CASA-CE foi fundada em 2012 e é composta por seis partidos, que nas primeiras eleições em que participou, no mesmo ano da sua criação, elegeu oito dos 220 deputados à Assembleia Nacional, face aos 6% de votos obtidos (345.589), a mesma percentagem conquistada nas presidenciais, em que Chivukuvuku ficou em terceiro lugar.

Nas últimas eleições gerais, realizadas em Agosto de 2017, a CASA-CE aumentou quase para o dobro a sua votação a nível nacional em termos nominais (639.789 votos – 9,5%), duplicando o número de deputados (16), com Abel Chivukuvuku, antigo destacado dirigente da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), maior partido da oposição angolana, a manter a terceira posição. (Sapo 24)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »