Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

ONG: Expulsão de congoleses de Angola agrava crise no Kasai

O alerta chega do Conselho Norueguês de Refugiados (NRC), que estima que 360.000 congoleses atravessaram a fronteira de Angola e voltaram à RDC durante o mês de Outubro. A maioria está a chegar a Kasai, onde o afluxo agrava uma crise humanitária e ameaça alimentar novos conflitos.

“A expulsão de congoleses de Angola ao longo do último mês é verdadeiramente chocante e arrisca desestabilizar ainda mais a situação no Kasai”, disse Ulrika Blom, directora nacional do NRC para a RDC, acrescentando que “várias centenas de milhar de pessoas que cruzam a fronteira para o Congo sobrecarregam ainda mais uma situação humanitária já de si terrível.

O NCR informa, em comunicado, que “as pessoas que cruzam a fronteira são uma população mista de antigos trabalhadores migrantes, assim como os milhares de refugiados que fugiram do Congo quando o conflito regional de Kasai eclodiu no segundo semestre de 2016 e em 2017”. E alerta para o financiamento do Plano de Resposta Humanitária do Congo, que, segundo a organização já está “bem abaixo de 50%”, e para a pouca presença humanitária na região, avisando para “um risco muito sério de que este último afluxo de pessoas necessitadas possa alimentar conflitos e causar centenas de milhares de pessoas necessitadas. para lutar pela escassa assistência disponível”.

“O orçamento humanitário de 2018 é basicamente obsoleto devido ao grande número de crises e contratempos que tivemos em todo o país nos últimos três meses”, declarou Ulrika Blom, acrescentando que “o risco de doenças transmitidas pela água é alto devido à falta de latrinas e sistemas de saneamento”.

“As pessoas são incapazes de tomar banho regularmente devido à falta de água potável em cidades fronteiriças como Kamako. Milhares de pessoas estão dormindo ao ar livre, colocando sua segurança em risco, porque não há abrigo ou casa disponível para o afluxo de pessoas que cruzam a fronteira”, .

Por outro lado, acrescentou, “tem-se assistido à extorsão de bens nos dois lados da fronteira e, do lado congolês, os preços de bens alimentares essenciais, como o arroz, farinha e óleo, triplicaram, uma vez que os comerciantes angolanos que normalmente passam a linha fronteiriça estão com medo de a atravessar por temerem represálias, deixando o comércio praticamente paralisado”.

Para agravar ainda mais a situação económica, o valor do kwanza, a moeda que os congoleses utilizavam antes de começar a “Operação Transparência”, perdeu já um terço do seu valor desde o início dos repatriamentos.

“Não estamos a falar de uma crise que está a começar, mas sim de uma emergência em grande escala. A comunidade internacional deve aumentar urgentemente o financiamento para a assistência humanitária”, destacou Ulrika Blom. (Novo Jornal Online)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »