- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Portugal Marcelo "não sabe" se caso de Tancos poderá abrir crise política

Marcelo “não sabe” se caso de Tancos poderá abrir crise política

“Eu sei lá o que é que a investigação apura”, diz o Presidente da República, para quem é “prematuro” falar desse cenário.

O Presidente da República foi questionado, esta quarta-feira, sobre se teme uma crise política provocada pelo caso de Tancos e respondeu cautelosamente que não sabe o que a investigação pode apurar, acrescentando que é prematuro fazer juízos dessa natureza.

Perante a pergunta da comunicação social, feita à saída de uma iniciativa na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa fez uma pausa de três segundos e depois afirmou: “Não sabendo das conclusões da investigação, eu sei lá o que é que a investigação apura.”

“Mas, olhando para aquilo que se apurou até hoje, é prematuro estar a fazer juízos dessa natureza. Agora vamos esperar. Quanto mais depressa houver o atingir as conclusões, melhor. Os portugueses é isso que desejam. É isso que o Presidente da República e Comandante Supremo das Forças Armadas deseja”, acrescentou.
“Sem pressionar, nem condicionar a autonomia do Ministério Público, que se apure o que há a apurar, tudo”, apelou.

Marcelo Rebelo de Sousa considerou que aquilo que tem dito sobre o caso do desaparecimento de armas do paiol nacional de Tancos e o seu posterior reaparecimento “é o máximo que o Presidente da República pode dizer, para não ser acusado de pressionar o Ministério Público, que é autónomo”.

“Respeitando a autonomia do Ministério Público, quanto mais cedo for possível conhecer as conclusões da investigação, melhor”, insistiu o chefe de Estado.

Antes, referiu que anda “há um ano e meio” a repetir que “é preciso apurar tudo, de alto abaixo, doa a quem doer” e que “é fundamental a instrução criminal”.

Relativamente à investigação judicial em curso, no seu entender, “houve um salto qualitativo” quando se realizou “a primeira comunicação pública do Ministério Público relativamente à recuperação de armamento”, no final de setembro deste ano.

Esse “salto qualitativo” foi relativo “à parte final da história” de Tancos e “não à parte intermédia, nem à primeira parte” deste caso, salientou.

“Em relação a essa parte final da história, havia uma divulgação de dados que mostravam como a investigação tinha sido conduzida e estava a produzir os seus efeitos”, prosseguiu Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente da República, que falava no final de uma conferência sobre o Plano Nacional de Leitura, foi interrogado se este caso daria um livro e retorquiu: “Eu nem sei se não deu já livros sobre isso. Ainda não saiu nenhum livro sobre a matéria?”.

Em seguida, reafirmou que “só depois de apurados os resultados da investigação criminal é que é possível formular uma opinião concreta, exata sobre o que sucedeu”.

“É muito importante perceber o que se passou na recuperação, mas não é menos importante perceber – como para haver armas recuperadas é preciso ter havido armas desaparecidas – como ocorreu o desaparecimento, para onde, onde é que estiveram as armas até ao momento em que foram recuperadas”, reiterou.

Questionado sobre a listagem do material recuperado de Tancos que foi enviada para a Assembleia da República, Marcelo Rebelo de Sousa realçou que isso está na esfera parlamentar e que há separação de poderes.

O Presidente da República disse ainda não ter tido “a oportunidade de verificar o que foi divulgado e que teve eco público” e fazer a comparação com notícias anteriores de que havia “material a mais e material a menos” face ao que tinha sido levado de Tancos.

Sobre a decisão do Ministério Público de entregar esta documentação ao parlamento quando há uma investigação judicial em curso, observou: “Como se sabe, foi uma decisão da senhora procuradora-geral da República. E agora, pelo que vi, mantida ou clarificada pelo senhor procurador que acompanha o caso. Portanto, significa que foi por quem tinha poder para o fazer”. (Renascença)

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.