Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

CPLP deseja reforço do envolvimento do Brasil presidido por Bolsonaro

A secretária-executiva da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) disse hoje desejar que o Presidente eleito brasileiro, Jair Bolsonaro, reforce o envolvimento do Brasil na organização lusófona e que este “continue a ser um membro ativo”.

“Eu só posso desejar que, com a nova administração do Brasil, a colaboração, a participação, o envolvimento do Brasil na CPLP possam sair mais reforçados”, bem como “os laços de amizade, de cooperação e de solidariedade que sempre existiram entre os povos”, afirmou à Lusa a secretária-executiva da comunidade lusófona, Maria do Carmo Silveira.

Questionada se antevê um distanciamento do Brasil, presidido por Jair Bolsonaro a partir de 01 de janeiro de 2019, da CPLP, a secretária-executiva escusou-se a fazer “comentários precipitados”.

“Temos de dar tempo ao tempo”, afirmou.

“Desejo apenas que o tempo venha a revelar que o Brasil continue a ser um membro ativo da CPLP e que possa continuar a reforçar as suas relações com os restantes Estados-membros”, referiu.

Esta segunda-feira, o Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou “fundamental que o Brasil esteja empenhado” no “novo ciclo” que está em preparação na CPLP.

“Há uma mudança de testemunho no fim desde ano, que já começou, do Brasil para Cabo Verde, na presidência, e vai continuar com a passagem do secretariado executivo de São Tomé e Príncipe para Portugal, e a preparação agora de um novo ciclo na CPLP, em que é fundamental que o Brasil esteja empenhado. Espero bem que aconteça”, completou o chefe de Estado.

No seu entender, é “fundamental” que o Brasil tenha “um papel importante” na CPLP.

Pelo Governo português, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, afirmou esperar, também na segunda-feira, o mesmo empenhamento do Brasil na organização.

“O Brasil assumiu a presidência da CPLP no último mandato, entre 2016 e 2018, fez uma presidência boa, trazendo para a prioridade do nosso trabalho a conversação multilateral em torno dos objetivos de desenvolvimento sustentável e é um parceiro muito importante na CPLP, fez-se representar ao mais alto nível, através do seu Presidente, na cimeira do Sal [em julho passado], dando assim todas as indicações de que quer continuar o protagonismo que lhe cabe na CPLP”, disse Santos Silva.

“Não tenho nenhuma indicação que me faça pensar que a implicação do Brasil na CPLP venha a diminuir”, prosseguiu, acrescentando: “Como ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, espero e confio que o Brasil continue a ter o mesmo comprometimento, se não mais, na CPLP, porque é muito importante para a CPLP o comprometimento do Brasil”.

O candidato de extrema-direita Jair Bolsonaro, de 63 anos, capitão do Exército brasileiro na reforma, filiado no Partido Social Liberal (PSL), foi eleito no domingo o 38.º Presidente da República Federativa do Brasil, com 55,1% dos votos, na segunda volta das eleições presidenciais brasileiras.

De acordo com dados do Tribunal Superior Eleitoral do Brasil, Fernando Haddad, de 55 anos, candidato do Partido dos Trabalhadores (PT), obteve 44,9% dos votos, e a abstenção registada foi de 21,3%, num universo de cerca de 147,3 milhões de eleitores inscritos. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »