Portal de Angola
Informação ao minuto

Francisco pondera visitar Coreia do Norte se receber convite oficial

(© Getty Images)

O papa Francisco considerou hoje, durante uma audiência privada com o Presidente sul-coreano, Moon Jae-in, no Vaticano, a possibilidade de uma visita à Coreia do Norte se receber um convite oficial.

O chefe de Estado sul-coreano transmitiu verbalmente ao papa, como tinha anunciado, um convite do líder norte-coreano, Kim Jong-un, para que visite a Coreia do Norte.

O papa disse que responderá seguramente se receber um convite oficial e que “possivelmente” irá, explicou o porta-voz de Moon, Yoon Young-chan, à agência oficial sul-coreana Yonhap.

Segundo o porta-voz presidencial, Moon perguntou ao papa se podia dizer ao dirigente norte-coreano que enviasse um delegado oficial para o convidar, ao que o papa respondeu que “o convite verbal transmitido pelo Presidente Moon seria suficiente, mas um convite oficial também seria de agradecer”.

A concretizar-se a visita, será a primeira de um papa ao país ateu.

“Apoio firmemente os esforços do Governo da Coreia do Sul [no] processo de paz na península da Coreia”, disse o papa a Moon.

Ambos conversaram com a ajuda do sacerdote sul-coreano Han Hyun-taek como intérprete.

No comunicado divulgado após o encontro, o Vaticano não fez referência ao convite da Coreia do Norte.

De acordo com a nota de imprensa, na reunião foram abordados o processo de distensão entre as duas Coreia e “a promoção do diálogo e da reconciliação entre os coreanos”.

Na reunião, que durou 35 minutos, Moon disse ao papa que ele é “não só o chefe da Igreja Católica, como um professor para a humanidade”, e o papa instou-o a “trabalhar para a paz”.

Na quarta-feira, Moon encontrou-se com dirigentes italianos e assistiu a uma missa nocturna pela paz na basílica de São Pedro com o secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin.

No mês passado, o Presidente sul-coreano assinou um acordo com Kim Jong-un destinado a reduzir as tensões na península.

Ao escrever no jornal do Vaticano, L’Osservatore Romano, Moon Jae-in explicou que viajava com um bispo católico sul-coreano para tentar melhorar as relações entre a igreja do Norte e do Sul.

A Coreia do Norte controla rigorosamente as actividades religiosas do seu povo, e um convite semelhante ao então papa João Paulo II para visitar o país após uma cimeira inter-coreana em 2000 nunca se traduziu num encontro.

Na altura, o Vaticano insistiu em que uma visita papal só seria possível se fossem aceites padres católicos na Coreia do Norte.

O papa Francisco, todavia, adoptou uma abordagem mais aberta na diplomacia do Vaticano. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »