Notícias de Angola - Toda a informação sobre Angola, notícias, desporto, amizade, imóveis, mulher, saúde, classificados, auto, musica, videos, turismo, leilões, fotos

Estado da Nação: Oposição considera como “bom princípio” a divulgação dos empréstimos feitos pelo Executivo

Os partidos políticos ouvidos pelo NJOnline destacaram, do discurso que o Presidente da República fez hoje no Parlamento sobre o Estado da Nação, a forma como, pela primeira vez, todos os empréstimos que o país obteve no exterior durante o último ano foram divulgados e ainda a forma como avisou os prevaricadores sobre o prazo limite para cumprir a lei de repatriamento de capitais.

Para a oposição, no que respeita à listagem dos empréstimos e linhas de crédito, cenário idêntico nunca aconteceu durante a administração de José Eduardo dos Santos, que sempre omitiu a soma dos empréstimos obtidos no exterior.

Reagindo o discurso do Presidente da República, João Lourenço, o vice-presidente da Bancada Parlamentar da UNITA, Estevão José Pedro Kachiungo, lamentou as dificuldades que os angolanos estão enfrentar e espera que durante o seu segundo ano do seu mandato, o Executivo de João Lourenço altere o quadro.

“Foi bom esclarecer estes empréstimos aos deputados e aos angolanos. Agora não ficou bem claro como é que a Assembleia Nacional vai acompanhar a aplicação destes montantes”, disse, defendendo ainda que, apesar de longo, o discurso “não trouxe novidades”.

Também segundo a UNITA, mas desta vez sublinhado pelo seu porta-voz, Alcides Sakala, a forma como João Lourenço avisou para a necessidade de ser cumprida a lei do repatriamento de capitais é importante, mas aproveitou para lembrar que só em Dezembro – quando termina o prazo – se “saberá até que ponto é a sério” e haverá consequências para aqueles que não cumprirem.

O presidente da CASA-CE, Abel Chivukuvuku, encorajou a luta contra corrupção levada a cabo pelo Executivo liderado pelo Presidente, João Lourenço, mas manifestou o seu descontentamento com nível de vida dos angolanos a degradar-se desde que ascendeu ao poder.

“Não pode ainda fazer o balanço como ele próprio PR afirmou. Entendo que esteve numa fase de aprendizagem a julgar pelas dificuldades que ele enfrentou”, reconheceu Chivukuvuku, frisando que “a grande luta não é só o combate a corrupção, mas sim a moralização da sociedade”.

Sobre as eleições autárquicas em todo o País, o líder da CASA-CE percebeu, pelas explicações do Presidente da República, que o problema está na incapacidade e não no gradualismo. “Encorajamos o senhor Presidente da República a continuar a efectuar as suas reformas para o bem-estar dos angolanos”, concluiu.

O líder do PRS, Benedito Daniel, reconheceu também haver boa vontade política por parte do chefe do Executivo para resolver os gritantes problemas que os angolanos enfrentam encorajando-o a manter a trajectória.

O secretário-geral do MPLA, Álvaro Manuel de Boavida Neto, entende que a intervenção do PR ajusta-se à realidade do País elogiando a forma como o seu discurso foi abrangente.

Questionado sobre as posições da oposição que alegaram que o discurso não trouxe novidades, Álvaro Manuel de Boavida Neto respondeu: “É o papel da oposição contrariar, mas o PR foi real na sua explanação”.

Reacções sobre de igrejas

O Chefe de Estado anunciou ainda que as igrejas que actuam ilegalmente vão começar a ser encerradas a partir de Novembro, em consequência da decisão do Governo de extinguir as plataformas ecuménicas no País para “normalizar o exercício da liberdade da religião, crença e culto”, e criticou algumas seitas religiosas que cobram somas exageradas em dinheiro e colocam as famílias angolanas mais pobres.

O Cardeal Dom Alexandre do Nascimento, arcebispo emérito de Luanda, referindo-se ao assunto, disse que este caso deve ser tratado de uma maneira “muito séria”.

“O Presidente da República é cristão e neste momento o Cardeal não faz declarações não preparadas”, resumiu.

Já o líder da igreja tocoísta, Dom Afonso Nunes, também pediu ao Executivo para que o assunto seja tratado com prudência.

“Nos tempos bíblicos, Deus utilizou réis para disciplinar a actividade religiosa, o importante é que o Governo trate o assunto com ponderação”, concluiu. (Novo Jornal Online)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »